A BATALHA DE RUSPINA

Em 4 de janeiro de 46 A.C, as legiões comandadas por Caio Júlio César enfrentaram o exército da facção aristocrática do Senado Romano (Optimates) que vinham combatendo o Ditador da República Romana desde o início da Guerra Civil, em 49 A.C.

Altes Museum, Public domain, via Wikimedia Commons

Após a derrota na Batalha de Farsália e a fuga e assassinato do campeão dos Optimates, Pompeu, o Grande, no Egito, o sucessor deste no comando militar das forças aristocráticas, Cipião Metelo, reuniu um grande exército na África do Norte.

Quando soube dos preparativos de Cipião Metelo, o sempre resoluto César, como era de seu feitio, agiu imediatamente e resolveu desembarcar na costa da Tunísia, próximo ao porte de Sousse, com apenas 3150 soldados, em 28 de dezembro de 47 A.C, sem sequer aguardar que o restante da 10ª Legião, a unidade na qual ele mais confiava tivesse chegado a Sicília para embarcar rumo à África. Acredita-se que, naquele momento, César ainda não tivesse reunido o número de navios necessários para transportar todas as suas forças para a África, mas, de qualquer modo, ele entendeu que não valia a pena esperar e resolveu cruzar o Mediterrâneo para derrotar seus oponentes.

[[File:Caesar campaigns from Rome to Thapsus-fr.svg|Caesar_campaigns_from_Rome_to_Thapsus-fr]]

Assim, no dia 1º de janeiro de 46 A.C., o pequeno exército de César acampou próximo à cidade de Ruspina, que seria o seu quartel-general naquela campanha. Para melhorar um pouco a sua situação, em 4 de janeiro, César recebeu reforços (ele tinha agora cerca de 9000 homens) e ordenou que 30 coortes de infantaria (incompletas), apoiadas por 400 cavaleiros e 150 arqueiros saíssem para colher suprimento de trigo nos campos vizinhos.

Porém, enquanto estavam em campo aberto colhendo o cereal, as tropas de César foram engajadas por contingentes de cavalaria comandados por Tito Labieno, um general que, inicialmente, tinha sido um grande auxiliar de César, mas que, por motivos incertos, desertara em favor de Pompeu e que, a partir de então, tornou-se um dos inimigos mais extremados do Ditador. Em minoria, as tropas de César foram cercadas e ele teve que ordenar que formassem um “orbis”, ou seja, uma formação defensiva em formato de círculo.

A 2ª gravura mostra soldados romanos formando uma “tartaruga” e um “orbis”. Foto de Justus Lipsius (1547-1606), Public domain, via Wikimedia Commons

Cavalgando à frente da suas tropas, consta que Labieno chegou a uma certa distância e falou em altos brados para os legionários de César, fixando-se particularmente em um legionário. Travou-se, assim, à distância, um curioso diálogo:

Labieno: “-Recruta! O que você pensa que está fazendo? Você é apenas outro que foi enganado pelas belas palavras de César, não é? Vou ser sincero com você, ele te colocou nesta situação desesperadora e eu sinto muito por você.”

Recruta: “-Eu não sou um recruta inexperiente, Labieno. Eu sou um veterano da 10ª Legião!”

Labieno: “-Da Décima? Eu não estou vendo aqui os estandartes da Décima…Vamos ver do que você é feito!”

Recruta: “-Logo você vai ver do que eu sou feito…”

O recruta tirou o elmo e mostrou o rosto descoberto para Labieno, e completou:

“- Está vendo o meu rosto? Vai se lembrar dele….”

A distância era longa, mas o legionário lançou o seu dardo e, para a surpresa de todos, atingiu o cavalo de Labieno no peito, que caiu ao solo, jogando o general no chão, para delírio dos soldados de César, que vibraram ainda mais quando o legionário assim concluiu:

“-Quem sabe no futuro isso vai te ajudar a reconhecer um soldado da Décima, Labieno!”

A Guerra Africana, 16, Atribuído por muitos a Aulus Hirtius, em https://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/Caesar/African_War/B*.html

Apesar desse episódio, o ataque das tropas de Labieno, que estavam em maior número, chegou bem perto de subjugar completamente o menor exército de César, não fosse pelo tirocínio deste em ordenar que metade dos homens formasse uma linha voltada para um lado e outra metade voltada para a retaguarda, e, imediatamente, ordenado que ambas as linhas avançassem a toda força para romper o cerco.

A manobra de César conseguiu abrir uma lacuna nas tropas inimigas, que foi prontamente explorada por suas forças, que marcharam a toda velocidade em direção ao acampamento. Porém, antes que conseguissem chegar à segurança da sua paliçada, a coluna de César foi atacada novamente pelas forças de Labieno, reforçadas pela cavalaria númida comandada pelo general Marcus Petreius.

Mesmo assim, César conseguiu atingir uma pequena elevação, onde teve que se entrincheirar, sendo cercado por todos os lados. Em determinado ponto, a luta estava tão desesperada que um porta-estandarte (aquilifer) do exército dele tentou fugir, momento em que César, em pessoa, teve que agarrar o pobre soldado e empurrá-lo de volta para a linha de frente, enquanto gritava:

“-Veja, o inimigo fica para lá!”.

Um aquilifer da X Legião, por James William Edmund Doyle, Public domain, via Wikimedia Commons

As fontes não são unânimes, mas Cássio Dião e Apiano narram que a maior parte das tropas de César na Batalha de Ruspina foi morta, ferida ou capturada, mas César conseguiu escapar durante o entardecer com alguns sobreviventes e se juntar ao resto das tropas que ficaram no acampamento.

Segundo Apiano, foi o general Petreius que decidiu mandar parar a ofensiva com o cair da noite, tendo chegado a dizer que não queria roubar a vitória do comandante Cipião Metelo. Só então, os dois exércitos oponentes retiraram-se do campo de batalha. O recrudescimento do inverno interromperia por algum tempo as operações em larga escala, limitando-se ambos a partir de então a escaramuças.

O fato é que César teve sorte em escapar de uma derrota certa, sorte que foi ajudada pela sua indiscutível presença de espírito e capacidade de lidar com as adversidades no campo de batalha. No entanto, a sua legendária audácia e rapidez de movimento, que tanto tinham lhe sido valiosas antes da expedição à África, agora quase lhe custaram a vida.

Três meses mais tarde, César enfrentaria novamente os inimigos, agora já com os reforços enviados da Itália, na Batalha de Tapsos.

Fonte: “Ceasar’s Legion, The Epic Saga of Julius Caesar’s Elite Tenth Legiona and the Armies of Rome“, Stephen Dando-Collins.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s