GERMÂNICO – O FAVORITO DA PLEBE

Germanicus_Inv._30010.jpg

Em 10 de outubro de 19 D.C, aos 33 anos de idade, morreu, em Antióquia, na província romana da Síria, Germanicus Julius Caesar (Germânico), oficialmente vítima de uma doença misteriosa, uma morte sobre a qual recaíram, no entanto, suspeitas de que tenha se tratado, na verdade, de um assassinato por envenenamento.

Germânico era filho de Nero Cláudio Druso, o irmão do futuro imperador Tibério, e de Antônia. a Jovem, filha do casamento do triúnviro Marco Antônio com Otávia, irmã do imperador Augusto. Ele provavelmente recebeu em nascença o mesmo nome do pai, e, somente anos depois recebeu o cognome “Germanicus”, que ele herdou de seu pai, que o havia recebido como homenagem às vitórias obtidas contra as tribos germânicas.

Nascido em 24 de maio de 15 A.C, Germânico, por ser sobrinho-neto de Augusto, o primeiro imperador, recebeu esmerada educação, suficiente para que ele, ainda jovem, conseguisse traduzir e publicar um hermético poema sobre Astronomia do poeta grego Arato. O jovem Germânico também foi treinado nas artes da Oratória, sendo reconhecidamente um ótimo orador, um talento que ele utilizaria para angariar muita simpatia entre o povo e as tropas, durante a sua vida pública.

Ara_Pacis_relieve_25

( A família imperial no reinado de Augusto retratada no painel sul da Ara Pacis. Acredita-se que o menino pequeno seja Germânico, por volta de 13 A.C.)

Após a morte prematura dos dois netos de Augusto, Lúcio César e Caio César, ocorridas, respectivamente em 2 D.C. e 4 D.C., o velho imperador viu-se compelido a adotar o seu enteado Tibério, que era filho natural e primogênito da imperatriz Lívia Drusila, e, já, então, um homem maduro. Porém, Augusto, que tinha simpatia por Germânico, exigiu que Tibério, por sua vez, adotasse o rapaz, visando assim, garantir alguma continuidade sanguínea para a linhagem dos Júlios, mesmo que Tibério já tivesse seu próprio filho natural, Druso Júlio César, que tinha apenas dois anos a menos do que Germânico

Após ocupar o cargo de questor, no ano de 7 D.C., com apenas 22 anos de idade e participar com sucesso da repressão à chamada Guerra Batoniana, uma importante revolta nas províncias da Panônia e da Ilíria, Germânico foi nomeado Cônsul para o ano de 12 D.C.. Devido ao seu bom desempenho e aptidão para os assuntos militares, o Senado deu a Germânico, em 14 D.C., o importante comando para lidar com a guerra contra as tribos germânicas que, lideradas por Armínio, tinham, cinco anos antes, destruído as três legiões de Públio Quintílio Varo, na Batalha da Floresta de Teutoburgo.

No início de seu comando na Germânia, Germânico teve que lidar com uma grande rebelião do exército do Reno, onde ele enfrentou risco à sua própria integridade pessoal e chegou a ter que mandar a família se refugiar por medo de represálias dos soldados. Nesse episódio, ficou evidente o talento de relações-públicas de Germânico, que, além de obter a admiração dos soldados pelos seus méritos pessoais, cativou a afeição das tropas ao usar o seu jovem filho, Gaius, como mascote das legiões, apresentando-o, ainda menininho, fardado com vestimenta militar completa, inclusive sandálias de legionário (caligae), motivo pelo qual o garoto viria a ser conhecido como “Caligula” (sandalinha).

Apaziguadas as tropas, Germânico, em três anos de campanha, derrotou várias vezes os germanos, conseguiu recuperar dois dos três estandartes das legiões de Varo, enterrou os corpos dos romanos mortos naquele desastre, e, finalmente, derrotou o próprio Armínio, apesar deste ter conseguido fugir, evitando a captura. Não obstante, Germânico  conseguiu capturar a esposa do chefe bárbaro, Thusnelda, e o filho dele, Thumelicusque foram trazidos para Roma.

germanicus B3cUfMb

(“Germânico Ante os Restos das Legiões de Varo”, quadro de  Lionel Royer, 1896)

Com o prestígio nas alturas, Germânico foi chamado por Tibério à Roma com a finalidade de celebrar o seu Triunfo, o que ocorreu em 26 de maio de 17 D.C., ocasião em que desfilaram, acorrentados, Thusnelda e Thumelicus. 

Germânico agora era considerado um verdadeiro herói romano e era adorado pela plebe romana: afinal, ele era jovem, bonito, inteligente, simpático e chefe de uma família modelo, pois teve seis filhos com a sua esposa, Agripina, a Velha, que era nada menos do que  neta do Divino Augusto! Sem dúvida, era um grande contraste com o imperador Tibério, que não tinha parentesco sanguíneo nem com Augusto, nem com Júlio César, e além de velho,  era tido como distante,  frio, sovina e antipático e cuja percepção popular era de que ele devia o trono às maquinações de sua mãe, Lívia Drusila.

Germanicus_at_Amelia_April_2016

(Estátua de bronze de Germânico, Museo civico di AmeliaAmelia, Umbria, Itália).

Muitos acreditam que Tibério já estava alarmado com a popularidade do sobrinho entre as tropas e, por isso, ele quis colocar um fim na campanha, convocando Germânico para a realização da procissão triunfal. Para o historiador romano Tácito, isso foi uma atitude prejudicial de Tibério, pois faltava pouco para que Germânico submetesse toda a Germânia.

No final do ano de 17 D.C., Germânico foi enviado por Tibério em uma missão pelas províncias do Oriente, que enfrentavam vários problemas. Foi uma viagem triunfal pelas cidades helenísticas, onde Germânico foi aclamado por onde passou. Nessa viagem, Germânico comandou a anexação dos reinos da Capadócia e da Comagena, que viraram províncias romanas.

mapa Screen-Shot-2017-11-16-at-8.34.08-AM.png

No Egito, Germânico adotou medidas para minorar a escassez de víveres que assolava a grande cidade de Alexandria. Como o Egito era uma província sob a administração direta do Imperador, através de um Legado, os atos de Germânico ali despertaram certa insatisfação entre os administradores nomeados por Tibério,  e isso acabou acarretando uma série de intrigas e suspeitas contra o primeiro.

Com efeito, de volta à Antióquia, na Síria, Germânico entrou em atrito com o governador daquela província, Cneu Calpúrnio Pisão, que anulara os atos que ele tinha praticado. Sentindo-se desafiado, Germânico ordenou que Pisão se deslocasse até Roma e se apresentasse a Tibério.

Foi durante essa crise, então, que Germânico adoeceu. Durante seu estado enfermo, desconfiado que Pisão lhe tivesse lhe administrado algum veneno ou usado magia negra  contra sua pessoa, Germânico chegou a escrever uma carta ao governador, renunciando formalmente à sua amizade. Pouco depois, o jovem sobrinho do imperador deu seu último suspiro, em  10 de outubro de 19 D.C.

Houve uma grande comoção geral no Império e Pisão foi acusado de ter envenenado Germânico. Em resposta à indignação popular, Pisão foi levado para Roma para ser julgado. Todavia, enquanto ele aguardava o julgamento, e o caso era investigado, Pisão foi encontrado morto na prisão, onde ele teria se suicidado. Para muitos, a morte do réu foi na verdade uma “queima de arquivo” e o imperador virou o principal suspeito de ter ordenado o envenenamento, juntamente com sua mãe, Lívia Drusila.

Quando a notícia da morte de Germânico chegou à Roma, houve indignação popular e muitos suspeitaram de que Tibério, ou sua mãe, Lívia, que era amiga de Plancina, a  esposa de Pisão, poderiam estar por trás do suposto envenenamento. Tibério ordenou uma breve investigação e Pisão foi preso e enviado para ser julgado pelo Senado. A acusação de envenenamento foi logo arquivada, mas a de traição foi mantida. Durante o julgamento, Pisão foi encontrado morto em sua cela, supostamente tendo cometido suicídio. Obviamente, o fato contribuiu para aumentar as suspeitas sobre Tibério e muitos consideraram que a morte de Pisão teria sido uma “queima de arquivo”.

Apesar do suicídio de Pisão, o julgamento dele prosseguiu e o veredito foi a sua condenação pelo crime de “maiestas“, ou lesa-majestade, em 20 D.C.,  delito que, pela primeira vez em Roma, foi considerado como abrangendo o imperador e a “casa imperial”, já que Germânico, enquanto filho adotivo e herdeiro imperial, teria tido a sua autoridade desobedecida por Pisão. Essa novidade mostra que a transição da República para a Monarquia estava bem avançada, apesar das aparências que Augusto e Tibério procuraram manter.

O caso da morte de Germânico mobilizou tanto a opinião pública romana- segundo Suetônio, vários muros foram pichados com a frase: “Dê-nos Germânico de volta!” – que para acalmar os ânimos Tibério foi obrigado a tornar públicas as atas do julgamento de Pisão e enviar cópias das conclusões do Senado para várias cidades importantes espalhadas pelo império.

Sabemos disso graças à descoberta, nos anos 80 do século XX,  próximo à Sevilha, na atual Espanha, de tábuas de bronze contendo o texto do Senatus Consultum de Gn. Pisone Patre, que, basicamente, vem a ser um decreto do Senado Romano contendo a versão oficial sobre o assunto (cf. https://scholar.princeton.edu/sites/default/files/SCCPP_0.pdf). Entre outras coisas, o texto confirma o relato de Tácito de que a imperatriz Lívia intercedeu para que sua amiga Plancina fosse perdoada, fato que, se não pode ser considerada prova de culpa da imperatriz, também não deve ter contribuído para afastar as suspeitas…

Segundo as fontes, Agripina, a Velha, a esposa de Germânico, jamais aceitou a versão oficial e, sempre que ela tinha uma oportunidade, demonstrava que suspeitava de Tibério.

Nicolas_Poussin_-_La_Mort_de_Germanicus,_1627_(vers)

(Quadro “A Morte de Germânico, de Nicolas_Poussin, 1627)

Germânico recebeu muitas honras póstumas e vários monumentos e estátuas foram erguidos em sua honra. O seu filho Calígula, depois de se tornar imperador, chegou a mandar renomear o mês de setembro como “Germanicus”, em honra do pai, mas a homenagem não vingaria. Já o neto dele, Nero (Lucius Domitius Ahenobarbus), que era filho de sua filha, Agripina, a Jovem, seria o último imperador da dinastia dos Júlio-Cláudios.