O SAQUE DE ROMA

1280px-Celio_-_le_mura_tra_porta_san_Sebastiano_e_porta_Ardeatina_1974

#saquederoma

Em 24 de agosto de 410 D.C., começava o Saque de Roma pelos Visigodos

Foi um evento que chocou os contemporâneos, romanos e bárbaros, e até mesmo estados inimigos, como os persas sassânidas. Enfim, por todo o Mundo Mediterrâneo o fato ecoou  como se prenunciasse o fim dos tempos.

A última vez que invasores estrangeiros haviam andado pelas ruas da  antiga capital do Império Romano havia sido em 390 A.C, ou seja, 800 anos antes! Foram os gauleses, chefiados por Breno, que, naqueles longínquos tempos, queimaram toda Roma, exceto a colina do Capitólio, onde os romanos se refugiaram.

Para os cristãos, o Saque de Roma, em 410 D.C, foi considerado um castigo divino, consequência da impiedade e arrogância da Cidade, que era dominada por uma classe senatorial ainda majoritariamente pagã.

Inspirado pela catástrofe, Santo Agostinho escreveu sua obra fundamental “A Cidade de Deus” (Civitas Dei), uma das pedras angulares da filosofia católica.

Augustine_Lateran

Já para os pagãos, o acontecimento foi uma punição dos deuses pelo fato dos imperadores terem abandonado o culto aos deuses ancestrais..

Aliás, durante o cerco de trinta dias, de fato houve um renascimento do paganismo na cidade, citando-se como exemplo, a permissão imperial para que a estatueta dourada da deusa Vitória fosse reinstalada na Cúria do Senado Romano, no Fórum.

Consta que a má fama do mês de agosto teria começado a partir desses funestos dias…

Prelúdio

Como foi possível que essa tragédia romana ocorresse?

O Império Romano passou por profundas transformações nos 100 anos anteriores ao saque visigodo.

Durante 350 anos, começando com Augusto, o primeiro imperador ( e cujo nome, coincidentemente batiza o mês de agosto), que reinou entre 27 A.C e 14 D.C., a estratégia militar romana consistia na disposição de suas principais forças militares nas fronteiras, organizadas em 28 legiões (esse número se manteve relativamente estável durante esse período). Essas legiões eram, de início, formadas por legionários recrutados entre os cidadãos romanos que fossem italianos ou oriundos de colônias de italianos estabelecidas em territórios conquistados.

Roman-legions-14-AD-Centrici-site-Keilo-Jack-1024x660

Cada legião tinha cerca de 5 mil homens e ela consistia em uma unidade virtualmente autônoma, com seus quartéis, estábulos, fábricas de armas, corpos de engenheiros, etc. (Note-se que, com o tempo, muitos dos quartéis das legiões dariam origem a várias cidades europeias atuais). E o Exército Romano também recrutava contingentes da população que habitava as localidades nas quais as legiões estavam situadas, os quais formavam regimentos de Auxiliares (Auxilia). Tradicionalmente, havia um corpo de auxiliares para cada legião, com o mesmo número de soldados que os legionários.

Basicamente, esses Auxiliares eram utilizados como tropas de patrulha, empregados em escaramuças, ou então como tropas especializadas, como, por exemplo, arqueiros, fundibulários (fundas), cavalaria ligeira, etc., sempre de acordo com as habilidades guerreiras de cada povo. Após servirem pelo prazo de 20 anos, um Auxiliar ganhava o direito de pleitear a cidadania romana (que era conferida por decreto do próprio imperador – aliás, muitos desses diplomas de bronze sobreviveram e foram encontrados em escavações, os quais, certamente, foram guardados com muito orgulho pelos agraciados).

diploma ownload

Como resultado positivo dessa estratégia, denominada de “defesa estática“, o estabelecimento das legiões nas fronteiras acarretou a “romanização” daquelas populações fronteiriças, Assim, pouco a pouco,  as legiões também começaram a recrutar localmente as suas tropas. Vale lembrar que o recrutamento de soldados sempre foi um problema que afligiu os romanos, já que, desde as reformas de Caio Mário, por volta de 100 A.C, o Exército Romano deixara de ser uma milícia de cidadãos que prestavam serviço militar, para se transformar no primeiro exército verdadeiramente profissional da História.

Entretanto, esse sistema demonstrou ser um fator de instabilidade política: Com efeito, após a derrubada e suicídio de Nero (68 D.C.), quando três generais comandantes de legiões disputaram o trono, tornou-se cada vez mais frequente, em tempos de crise, o surgimento de rebeliões daquelas legiões estacionadas nas fronteiras do Império. Na verdade, o próprio regime do Principado, que substituíra a República, descendia de um longo processo de tomada do poder pela força por políticos que também eram generais. Não é a toa que o título “Imperator” significava, na origem, ‘Comandante”…

Consequentemente, na prática, quase todo general à testa de uma legião era um candidato em potencial a Imperador,  e, ao menor sinal de fraqueza do imperador reinante, poderia ser aclamado como tal por suas tropas. E tal comportamento, sem dúvida, era decorrente do costume de se recompensar regiamente os legionários que serviam na legião, quando o seu comandante conseguia ser vitorioso na disputa (inclusive, houve vários casos em que toda a tropa, ávida pelas polpudas gratificações, aclamava o seu general imperador. mesmo contra a vontade deste! Ironicamente, isso tornava-se caso a rebelião fracassasse, uma sentença de morte para o coitado do general…).

Essa instabilidade militar chegou ao máximo durante o período que se denomina “Crise do Século III“, onde a média de duração de um reinado era pouco mais de um ano, e, algumas vezes, havia vários Imperadores rivais.

A reforma militar de Constantino

Finalmente, em 312 D.C.,, após mais uma dessas incontáveis rebeliões, Constantino, um general romano de origem ilíria, filho de um dos 4 co-imperadores nomeados por Diocleciano, no fracassado projeto de divisão racional do poder que este instituíra, chamado de “Tetrarquia”, derrotou o rival Maxêncio e se tornou Imperador.

Constantin.jpg

Constantino foi o responsável por  duas mudanças radicais, no campo político-administrativo e militar, que impactariam decisivamente o Império Romano nas décadas seguintes:

1) Reconhecendo que o território romano era grande demais para ser administrado por um imperador somente, instalado em apenas uma capital, resolveu, inspirado no precedente tentado por Diocleciano (tetrarquia), instituir uma divisão político-administrativa do império em duas metades – Ocidental e Oriental (Pars Occidens e Pars Oriens). A capital ocidental, predominantemente de fala latina, a princípio, continuou sendo Roma, mais tarde substituída, sucessivamente, por Milão e Ravena. Porém, para capital da parte oriental, onde se falava majoritariamente o idioma grego, ele escolheu a antiga cidade grega de Bizâncio, notória por suas qualidades defensivas (basicamente um triângulo de terra cercado de água em dois lados), que recebeu o nome oficial de “Nova Roma que é Constantinopolis“,  mais conhecida como Constantinopla;

2) Constantino também resolveu instituir um “Exército Central Móvel“, que ficaria sob o comando direto do Imperador, formado com os melhores contingentes das 28 legiões espalhadas pelo Império Romano. A elite do exército eram as tropas de cavalaria couraçada (Scholae Palatina). E os soldados desse exército central ficariam conhecidos como Comitatenses (literalmente, aqueles que fazem parte da “Comitiva” imperial). Esses soldados receberiam pagamento maior e melhores uniformes e equipamento do que os do restante do Exército Romano. Já as antigas legiões não seriam extintas, mas de certa forma, elas foram rebaixadas. Os seus integrantes passaram a ser denominados de “Limitanei” (isto é, os “fronteiriços”, ou “da fronteira”), que recebiam pagamento menor. Como o tempo demonstraria, essas tropas, paulatinamente, acabaram definhando e virando uma espécie de guarda provincial de fronteira.

comitatusarmy5

 

A maior parte dos estudiosos acredita que, mais do que preocupação com a estratégia militar defensiva imperial, o grande objetivo de Constantino era assegurar a estabilidade de seu trono e continuidade da sua própria dinastia., no que, aliás, ele foi bem sucedido, pois ele mesmo reinou 25 anos e a sua dinastia duraria 50 anos.

A criação de um Exército Central Móvel, na forma adotada por Constantino, consagrou a adoção do que se chama, em ciência militar, de estratégia de “defesa em profundidade“, cuja principal característica é o reconhecimento de que os inimigos atacantes não poderão ser detidos nas fronteiras, e, inevitavelmente, eles penetrarão o território do império, devendo as tropas fronteiriças apenas retardar ou atrapalhar o avanço do exército inimigo em solo pátrio, até que o mesmo seja engajado e derrotado pelo exército principal do país, onde for mais recomendável.

O problema é que essa mudança estratégica romana ocorria em meio a dois acontecimentos ocorridos no exterior que teriam consequências gravíssimas: o primeiro, já do conhecimento dos romanos, era o renascimento de um império persa nacionalista e militarmente agressivo, que 40 anos antes, tinha-lhes infligido duras derrotas, inclusive com a captura, pela primeira vez, de um imperador romano em campo de batalha (Valeriano, em 260 D.C.), que havia imprudentemente invadido a Mesopotâmia.

Em 363 D.C., o último integrante da dinastia de Constantino, o Imperador Juliano (denominado de “O Apóstata”, pois ele renunciou à fé cristã e tentou restaurar os deuses pagãos) sofreu nova derrota desastrosa na Pérsia, onde ele morreu após ser ferido em batalha. O sucessor, dele, Joviano, teve que negociar um tratado humilhante para conseguir sair da Pérsia com o que sobrou do exército romano de 90 mil homens, um dos maiores já reunidos em toda história do império. Amiano Marcelino foi um historiador romano que participou dessa campanha como soldado e deixou um relato excepcional da campanha. Sobre Juliano, vale a pena ler o livro homônimo, do escritor americano Gore Vidal, um romance histórico magistralmente escrito).

Mas foi o segundo fato, ocorrido na longínqua China e então desconhecido dos romanos, que causaria uma sucessão de eventos que redundaria, décadas mais tarde, no Saque de Roma: a migração dos Hunos.

Derrotados após uma tentativa de conquistar o Império Chinês, os Hunos se voltaram para o Ocidente. Atravessando a Ásia Central, em hordas invencíveis de milhares de arqueiros montados, os hunos foram empurrando povos e mais povos, em um verdadeiro efeito dominó, em direção ao Oeste, gerando o aumento dos conflitos na fronteira romana do Reno/Danúbio.

AtillaMounted_Full

Assim, o cenário militar romano em meados do século IV era aquele que assombra o imaginário de qualquer líder militar: o de uma guerra em dois fronts!

Um dos povos que foram desalojados pelos hunos eram os Godos, um povo germânico de origem escandinava que havia migrado para a região do Danúbio, estabelecendo-se nas proximidades da antiga província romana da Dácia (aproximadamente a Romênia atual).

goths gvghcchcghgch.png

Em 376 D.C., uma vasta migração dos Godos Thervingi, liderados pelo chefe Fritigern, totalizando cerca de 200 mil pessoas, pediu autorização ao Imperador Romano do Oriente, Valente, para cruzar o rio Danúbio e se instalar na província romana da Moesia, no que, na verdade, era quase um pedido de asilo. Foi dada a permissão, sob a condição de que eles entrariam desarmados, mas ficariam sujeitos ao serviço militar (os romanos sempre costumavam empregar bárbaros como tropas, e durante a dinastia de Constantino, o emprego de tropas germânicas tinha aumentado bastante, ao ponto de influenciar o equipamento, vestuário e até o grito de guerra dos soldados romanos)

Em geral, a História e os achados arqueológicos demonstram que os povos germânicos, ao longo dos quase 400 anos que separam o ano de 100 A.C, quando as fontes romanas pela primeira vez mencionam a invasão da Itália pelos povos denominados de Cimbros e Teutões ( invasão derrotada por Mário), do aparecimento dos Godos na fronteira do Danúbio, no final do século III, vinham sendo influenciados pelo Império Romano, mas sempre mantendo uma consciência que poderíamos chamar de “étnico-cultural” ou nativista muito forte ( o que ficou demonstrado na resistência comandada por Arminius – ou Herrmann, o Germânico – à penetração romana na Germânia, em 9 D.C, infligindo aos romanos a destruição de três legiões e o abandono definitivo do projeto romano de transformar a região em província romana, com consequências duradouras para a história dos dois povos no futuro).

A mudança mais importante observada na sociedade germânica ao longo desses séculos de contato com os romanos, foi a tendência à aglutinação das antes isoladas tribos em grandes confederações, como por exemplo, a dos Alamanos, que em sua origem etimológica, quer dizer “All men” (todos os homens), e acabaria dando nome a um futuro país (Alemanha), e a dos Francos (que, curiosamente, daria nome ao maior rival da Alemanha, a França).

Alamanni

Outra mudança notada entre os povos germânicos, que, para alguns estudiosos, foi consequência do contato com os romanos, foi a crescente sofisticação e especialização militar dos contingentes armados, em contraste com os grupos mais primitivos de guerreiros no início da era cristã. Para saber mais sobre todos esses fenômenos envolvendo as tribos germânicas, recomendamos a leitura do livro “The Fall of the Roman Empire, a New History of Rome and the Barbarians“, do historiador Peter Heather).

É certo que essas confederações germânicas cooperavam entre si no embate contra os romanos. Assim, ataques na fronteira do Reno eram combinados com ataques no Danúbio. E sabe-se que, algumas vezes, quando chegava a notícia de uma derrota militar romana na Pérsia, desencadeava-se uma série de ataques germânicos oportunistas.

Por outro lado, ficou evidenciado que, ao longo dos séculos, os germanos passaram a apreciar mercadorias produzidas no Império Romano, como demonstram os achados arqueológicos de sepulturas germânicas do período.

Note-se que, durante muito tempo, inúmeros germanos serviam no exército romano, mas depois eles voltavam para viver junto ao seu povo, trazendo consigo a expertise militar romana (Arminius, inclusive, havia sido um precursor disso, pois ele comandava um contingente de Auxiliares do Exército Romano).

Desde o século IV, os Godos haviam se convertido ao Cristianismo, embora o professassem sob a doutrina denominada de Arianismo, considerada heresia pela Igreja Católica (porque idealizada pelo bispo Ário – nome que nada tem a ver com “raça ariana”, por favor!).

A História conta que, após entrarem no Império Romano, os Godos foram muito maltratados pelos governadores das províncias romanas onde se estabeleceram. Grassava a fome entre eles e os oficiais romanos cobravam preços extorsivos pelos grãos estocados nos celeiros do Estado. Alguns chegaram até a escravizar alguns godos.

Os germanos não podiam mais tolerar isso e se rebelaram. E acabaram derrotando as tropas que inicialmente foram enviadas para reprimi-los.

A Batalha de Adrianópolis

Assim, em 378 D.C, o Imperador Romano do Oriente, Valente, decidiu  marchar e comandar em pessoa o Exército Central e esmagar os Godos. O imperador do Ocidente, Graciano, já havia se comprometido a enviar também o seu Exército, porém, de acordo com a versão mais prevalente, Valente,  querendo os louros da vitória somente para si, resolveu fazer uma marcha forçada e dar combate aos Godos sem esperar os reforços ocidentais.

Fritigern, que era um hábil comandante, sabedor que não poderia enfrentar os 40 mil soldados de Valente em campo aberto, resolveu “entrincheirar-se” e mandou que os carroções em que o seu povo, homens, mulheres e crianças, moravam e viajavam (parecidos com aqueles que os pioneiros americanos usaram na Conquista do Oeste) formassem um círculo protetor (laager) em uma colina, próxima a Adrianópolis, na Trácia. E mandou que a sua cavalaria, que tinha um efetivo estimado entre 10 e 20 mil homens ficasse ao largo. Dentro do laager, talvez estivessem 20 mil guerreiros, além de muitos milhares de mulheres, que talvez ajudassem nos combates. Quando viu os romanos se aproximando, Fritigern mandou atear fogo ao campo na planície em volta da colina e enviou mensageiros para atrasar os romanos e outros para chamar a cavalaria.

frontier-wagon-circle.jpg

Em 9 de agosto de 378 D.C.,  os romanos chegaram ao campo de batalha após uma marcha forçada de sete horas e, sem descanso, eles preparam-se para atacar os godos.

Amiano Marcelino conta que uma unidade romana, demonstrando falta de disciplina, acabou atacando sem esperar as ordens e precipitando o avanço. Enquanto isso, a cavalaria goda chegou e atacou o flanco direito  dos romanos, prevalecendo sobre a cavalaria romana, que fugiu. A visibilidade era ruim, devido a fumaça e a poeira e o calor do verão era grande. Os romanos não perceberam que sua cavalaria tinha sido dispersada e avançaram colina acima em direção ao laager.

Os guerreiros godos, saindo do círculo de carroções, atacaram o lado esquerdo dos romanos que, por sua vez, foram atacados pela retaguarda pela cavalaria goda que havia dado a volta. Os romanos foram obrigados a avançar para a base da colina.

Valente percebeu o movimento e avançou, porém,  a massa compacta de soldados não conseguia mais manobrar. Os romanos foram completamente envolvidos e acabaram sendo massacrados. O imperador, segundo relatos, morreu lutando, e o seu corpo nunca foi encontrado, perdido entre a massa de 40 mil soldados romanos caídos.

death_of_emperor_valens_at_adrianople__378ad_by_popius-d8y3qth

Amiano Marcelino encerra a sua História com o relato sombrio e emocionante da Batalha de Adrianópolis. É expresso o reconhecimento do desastre: Dois terços do Exército Romano do Oriente foram eliminados em uma tarde. Ele relaciona com tristeza o número imenso de generais e oficiais romanos que morreram na Batalha.

Assim, o Império Romano sofrera duas derrotas humilhantes no espaço de 15 anos. o historiador Arther Ferril (“A Queda do Império Romano – a Explicação Militar”) compara essa situação ao clima que se abateu sobre o exército americano após a derrota para o Vietnã.

Após a Batalha de Adrianópolis, na prática, não havia mais exército romano no Oriente. Os Godos, imediatamente apos a vitória, tentaram saquear Adrianópolis, mas, desprovidos de máquinas de assédio, e ignorantes da arte da guerra de sítio, não conseguiram. Mas eles pilharam toda a província e, mais importante, saquearam os arsenais do exército.

Durante os próximos 30 anos, os romanos teriam que enfrentar um fato que não acontecia na história romana desde a  Segunda Guerra Púnica, entre 220 a 202 A.C: Um exército estrangeiro armado movendo-se e vivendo em solo romano. Só que agora porém,  era um povo inteiro que demandava um pedaço de território romano para viver!

Após a derrota romana na Batalha de Adrianópolis, com a morte em combate de Valente, o sobrinho deste, Graciano, que já era o Imperador Romano do Ocidente. virou, por direito, o soberano das duas metades do Império Romano.

Ocorre que Graciano só tinha 19 anos na ocasião e já estava suficientemente assoberbado com as invasões dos Alamanos e outros povos germânicos na Gália, sendo, portanto, incapaz de lidar com os invasores godos na parte oriental.

Teodósio e a “barbarização” do Exército Romano

Assim, Graciano convidou o prestigiado general espanhol Teodósio para governar o Império Romano do Oriente.

MissoriumTeodosioMNAR

Para lidar com o problema dos bárbaros, dentro e fora das fronteiras do Império, Teodósio precisava de soldados. Porém, quinze anos de combates, e de várias derrotas, contra germânicos e persas tinham exaurido as fileiras dos exércitos romanos.

Muitos, como eu, creem (embora a questão seja controversa) que o negligenciamento das legiões das fronteiras, em detrimento do exército central móvel, como decorrência das reformas de Constantino, foi uma das causas da decadência da capacidade de recrutamento militar, que era o maior problema nesta área, no final do Império Romano, embora outras causas, tais como o provável decréscimo populacional no século III devido a pestes, a disseminação do instituto do colonato e as próprias perdas em batalhas certamente tiveram grande peso.

As fontes e a arqueologia dão a entender que cada legião era um pólo de romanização das fronteiras onde estavam aquarteladas, e que eram elas que cuidavam de recrutar e preencher as suas fileiras ao longo do tempo. Quando elas foram transformadas em tropas de segunda linha, o recrutamento começou a diminuir, e isso piorou ainda mais quando os bárbaros passaram a devastar as regiões fronteiriças, o que era propiciado pela nova estratégia de defesa em profundidade adotada a partir do século IV.

A solução de Teodósio para o problema foi recrutar os únicos guerreiros que mais facilmente estavam à disposição: os próprios bárbaros germânicos…Teodósio concedeu a várias populações germânicas, inclusive aos próprios Godos Thervingi (Visigodos), o direito de se estabelecerem no Império em áreas pré-determinadas na Dácia e na Trácia na condição de povos confederados do Império Romano (foederati), em troca do alistamento deles no Exército Romano.

Não obstante, em 382 D.C, valendo-se de seus contingentes marcadamente bárbaros, Teodósio conseguiu conter a ameaça resultante da invasão dos Godos. E, para a sorte dele, Fritigern, o chefe visigodo vitorioso em Adrianópolis, morreu naquele mesmo ano de 382. Como resultado, a situação romana parecia estar melhorando…

Com o emprego de seu exército romano barbarizado, Teodósio conseguiu derrotar vários usurpadores nas províncias e, até mesmo, conter outras invasões bárbaras, o que lhe valeu na época o cognome de “O Grande”.

Para muitos historiadores militares, a preferência de Teodósio por tropas germânicas foi a pá de cal no que ainda sobrava dos contingentes romanos tradicionais. Parece que, a partir de então, a única diferença digna de nota entre um exército romano e um germânico seria os estandartes imperiais e os motivos pintados nos escudos. Mesmo que se considere isso um exagero, o fato é que essa preferência pelos germânicos, sem dúvida, deve ter solapado a moral do resquício de tropas genuinamente romanas.

leginaries V AD asA

Teodósio era um cristão devoto e seu reinado foi marcado pelo fortalecimento da igreja Católica e por medidas contra o paganismo. A mais notável foi o Edito de Tessalônica, que institui o Credo Cristão Niceno Trinitariano do Concílio de Niceia (Santíssima Trindade) como a religião oficial do império Romano.

Seguindo essa política, Teodósio extinguiu o Culto das Virgens Vestais, que datava desde o nascimento de Roma, com mais de mil anos de tradição, e proibiu a realização de cerimônias pagãs em público, o que acarretou, inclusive, o fim dos Jogos Olímpicos. Sentindo-se estimulados pelo apoio imperial, multidões de cristãos enfurecidos arrasaram os célebres templos de Serápis, em Alexandria, e de Apolo, em Delfos, este lar do famoso Oráculo, onde profetizava a Pitonisa.

O fato é que o momento pedia união e concórdia entre os romanos, e, certamente, as disputas religiosas não contribuíam para isso…

Entretanto, uma novidade, em 391 D.C, viria abalar a precária estabilidade aparentemente conquistada por Teodósio: os visigodos escolheram como o seu rei, Alarico (alguns consideram que foi em 395). Alarico entendia que os Godos poderiam conseguir arrancar muito mais do que os romanos até então tinham dado e resolveu fazer uma nova excursão fora do território que lhes fora concedido.

Enquanto Teodósio foi vivo, o prestígio desse imperador, de personalidade dominante e hábil estrategista, havia mantido Alarico relativamente obediente.

Todavia, em 395 D.C, Teodósio morreu em Milão (fazia já um século que a cidade substituíra Roma como a capital do Ocidente).

Teodósio foi o último imperador a governar ambas as metades do Império Romano e com a sua morte o seu exército central, que na verdade, em boa parte consistia de tribos de guerreiros bárbaros comandadas por chefes leais a ele, se dispersou.

Antes de morrer, Teodósio legou o Império aos seus dois filhos: Honório, que ficaria com a Parte Ocidental e que tinha apenas 8 anos quando na morte do pai; e Arcádio, de 12 anos, que reinaria sobre a Parte Oriental.

Como tutores dos garotos e verdadeiros regentes do Império, Teodósio nomeou dois homens de sua confiança: para Honório, o marechal Flávio Estilicão (Flavio Stilicho), um militar romano, filho de pai vândalo e mãe romana. E para Arcádio, foi nomeado Rufino, um alto funcionário palaciano e homem de Estado que já ocupara inclusive o cargo de cônsul.

stilicho (1)

Ocorre que Rufino odiava Estilicão, E as muitas intrigas e sabotagens que o primeiro urdiria contra o segundo, nos anos vindouros, as quais ocorreram em um quadro de extrema gravidade, quando mais se exigia colaboração estreita entre as duas metades do Império, acabaram contribuindo para a ruína de Roma.

Estilicão era um hábil militar e extremamente devotado à casa de Teodósio. O seu último grande serviço a Teodósio, antes deste morrer, havia sido a derrota do usurpador Eugênio, que havia sido colocado no trono, em 392 D.C., pelo general franco Arbogaste, que era o homem-forte do Império do Ocidente e que só não se auto proclamou imperador, após a morte de Valentiano II (o colega de Teodósio no Ocidente), porque ele era bárbaro e, portanto, um monarca inaceitável para a sociedade romana.

Faremos agora uma pausa para recapitular alguns fatos verificados nos anos que antecederam a morte de Teodósio, importantes para o contexto:

Valentiniano II era um mero fantoche nas mãos de Arbogaste, como demonstra o registro histórico que conta que, certo dia, aquele imperador comunicou ao general franco que o mesmo estava demitido, ao que este teria respondido: “Você não me deu o meu cargo e nem pode tirá~lo“…

Quando Valentiniano II morreu, oficialmente por suicídio, mas provavelmente assassinado a mando de Arbogaste, a relação, já conflituosa, entre o Ocidente e o Oriente piorou, pois Eugênio, o novo imperador-fantoche, e seu “padrinho” Arbogaste passaram a apoiar nitidamente a corrente simpática ao paganismo revitalizado que dominava o Senado de Roma, inclusive reinstalando na Cúria o Altar da Vitória (que tinha sido erigido por Otávio, após derrotar Marco Antônio e Cleópatra, em Actium, em 29 A.C., .e ostentava uma bela estátua alada de ouro da deusa, que tinha sido capturada dos epirotas na Guerra contra Pirro, em 272 A.C.

A Batalha do Rio Frigidus

Isso foi mais do que Teodósio podia suportar. O devoto Imperador Romano do Oriente decidiu acabar com o renascimento pagão e começou a se preparar para invadir o Ocidente e entrar na Itália para derrubar Eugênio e Arbogaste. Ele formou um exército recrutando e treinando romanos de nascença, fato que não ocorria desde a destruição do Exército do Oriente pelos visigodos em Adrianópolis, 15 anos antes.

Em 394 D.C,, o novo exército romano do Oriente estava pronto e deixou Constantinopla rumo à fronteira com o Ocidente (em Ilyricum – o território ocidental começava no que hoje é a Sérvia).

Alarico recebeu ordens para que os visigodos também participassem da ofensiva, devendo juntarem-se ao exército comandado em pessoa pelo Imperador Teodósio, que teria, sob suas ordens, o general Estilicão e o próprio Alarico.

O avanço pelas províncias limítrofes foi fácil, assim como a passagem pelos Alpes Julianos (que separam o que hoje é a Itália da Eslovênia), pois Arbogaste decidiu esperar o ataque próximo à cidade de Aquileia, no norte da península.

Quando, em setembro de 394, chegou no Rio Frigidus e viu as tropas ocidentais aquarteladas, Teodósio mandou os visigodos atacarem. O terreno era desfavorável e metade dos soldados visigodos morreu neste ataque (cerca de 10 mil homens). Inclusive, muitos acreditam que Teodósio intencionalmente quis enfraquecer os bárbaros, para diminuir a eterna ameaça que eles representavam ao Império, apesar deles, momentaneamente ,estarem do seu lado.

Porém, no dia seguinte, quando Arbogaste, achando que o exército de Teodósio não se recuperaria do revés sofrido, mandou uns destacamentos atacarem o acampamento oriental, Porém, o matreiro imperador subornou os soldados inimigos e acabou ganhando esse inesperado reforço. Em seguida, quando Tedoósio deslocava o exército por uma passagem estreita, Arbogaste ordenou novo ataque de emboscada Porém, no exato momento em que eles iriam atacar, soprou com força de tempestade o característico vento daquela região, chamado até hoje de Bora, jogando grande quantidade de poeira nos olhos dos atacantes, atrapalhando-os de tal forma que foram desbaratados pelos soldados orientais.

Após a derrota, Eugênio, foi exibido em várias cidades como troféu de guerra, e, em seguida, ele foi decapitado; Arbogaste, após fugir e vagar uns dias pelos Alpes, cometeu suicídio.

Voltou, assim, Teodósio, como já observado, a reinar sobre as duas metades do Império, porém não por longo tempo, pois morreria no ano seguinte, em 395 D.C.

Alarico, convicto de que os godos eram os que mais tinham se sacrificado pela vitória de Teodósio na Batalha do Rio Frígido, após a morte deste imperador passou a exigir altas recompensas para si e para o seu povo, mas não obteve o reconhecimento pretendido.

O rei Alarico x Estilicão

Desapontado, ainda em 395 D.C, Alarico foi eleito formalmente Rei pelos Visigodos (alguns historiadores consideram que isso ocorreu em 391) e liderou uma revolta do seu povo contra o Império, chegando, inicialmente, a se dirigira aos muros de Constantinopla, desistindo apenas em função da solidez dos muros da capital. Em seguida, os Visigodos devastam a Macedônia e a Grécia, saqueando e destruindo as históricas cidades de Corinto, Mégara. Argos e Esparta, porém poupando Atenas.

Enquanto isso, o exército do Oriente estava ocupado com uma incursão dos primeiros grupos de Hunos que começavam a chegar às fronteiras do Império e que, décadas mais tarde, assolariam Roma, unidos sob o comando de Átila.

Por isso, Rufino, o prefeito pretoriano do Leste e regente do Império do Oriente, tentou negociar em pessoa com Alarico. E. concomitantemente, Estilicão dirigia-se, através da Ilíria em direção à Grécia, para dar combate aos Visigodos. Porém, manipulado pelo seu rival Rufino, o jovem imperador Arcádio ordenou que Estilicão desse meia-volta e abandonasse o território do Oriente, que era tudo o que Alarico precisava no momento, já que o exército de Estilicão no momento era mais poderosos do que o dos Visigodos.

O comportamento traiçoeiro de Rufino foi tão mal recebido pelos romanos, que os próprios soldados da sua escolta o assassinaram. Livre, assim, da má influência de Rufino, Arcádio chamou Estilicão de volta.

O leal e patriota general acedeu prontamente e, entrando na Grécia com seu exército, conseguiu, em 397 D.C., cercar Alarico nas montanhas do Peloponeso, de ele onde somente conseguiram escapar com muita dificuldade. Na verdade, naquele momento, os Visigodos ficaram numa posição tão difícil que Estilicão, na época, foi acusado de ter deixado intencionalmente eles escaparem e tal acusação é objeto de debates até hoje. Para alguns, Estilicão teria recebido, novamente ,ordens de partir e por isso não liquidou Alarico; para Zózimo, historiador romano do período, o general romano seria confiante em excesso, além de gostar demasiadamente de luxo e mulheres. Outros acreditam que as tropas de Estilicão, de contingentes majoritariamente germânicos, não eram confiáveis e relutaram em dar cabo dos seus “primos”. E há quem diga que Estilicão teve que lidar com a revolta de Gildo, na África, que estourou no mesmo ano.

O fato é que Alarico e seus visigodos conseguiram escapar em direção ao norte, cruzando e pilhando o Épiro e chegando à Ilíria, e ainda levando consigo o produto do saque à Grécia.

Mais grave, para os romanos contudo, foi o fato de Alarico, no final dessa campanha, ter conseguido fazer o fraco Arcádio nomeá-lo Marechal das Forças Armadas (Magister Utriusque Militiae) do Oriente, o que permitiu aos visigodos ter acesso aos arsenais e fábricas militares do Estado Romano em Ilyricum.

Arcadius_Istanbul_Museum

Nesse meio tempo, Estílicão, além de ter de lidar com a revolta na África, ainda teve que combater uma guerra na Britânia.

Percebendo a fraqueza da parte ocidental, o insaciável Alarico voltou a sua cobiça para a Itália, cujas regiões central e sul, intocadas por invasores estrangeiros fazia mais de 600 anos, ofereciam a perspectiva de polpudos saques…

Em 402 D.C, Alarico conduziu seu exército para Milão, a então já centenária capital do Império Romano do Ocidente, e, desafiadoramente, sitia o próprio imperador Honório.

MIlan Mura-en

Contudo, mesmo após se armar nos arsenais imperiais da Ilíria, aos bárbaros ainda faltava o necessário  “know-how” para o assédio às poderosas muralhas de Milão.

Mais uma vez, a situação foi salva por Estilicão, que derrotou Alarico em Polentia, no Piemonte, capturando, inclusive a esposa do rei bárbaro. Alarico, foi obrigado a abandonara a região, e, em 403 D.C., ele foi novamente derrotado por Estilicão nas cercanias de Verona, decidindo voltar para a Ilíria.

Ravena, a nova capital do Império

A grande consequência dessa incursão de Alarico foi convencer o imperador Honório a deixar Milão e estabelecer a Corte em Ravena. O motivo da escolha é que Ravena era uma cidade cujo acesso por terra somente poderia ser feito cruzando-se extensos pântanos que faziam parte de uma laguna e, portanto, ela era muito difícil de ser invadida pelos bárbaros. Além disso, a cidade poderia se comunicar por mar com todo o império, valendo-se do porto militar fortificado de Classe.

Ravena seria a capital do Império Romano do Ocidente até a queda deste, em 476 D.C e , posteriormente, seria o centro da Itália bizantina, de 540 a 751 D.C. Pretendo, um dia, conhecer essa cidade, onde ficam várias igrejas e construções que guardam os mais belos mosaicos da arte bizantina.

ravenna-field-trip-6.jpg

E a mudança da capital do Império para Ravena teria influência decisiva na estratégia imperial que seria adotada  nos cercos  que Alarico viria a submeter Roma…

A invasão da Gália – a queda da fronteira do Reno

Infelizmente, para os romanos, o inverno rigorosíssimo do ano de 406 D.C contribuiria para um fato desastroso, que, para boa parte dos estudiosos, teve consequências irreversíveis que levaram o declínio do Império Romano do Ocidente a um “ponto-de-não-retorno” :

O rio Reno marcava, desde a Conquista de Gália, por Júlio César, em 52 A.C., a fronteira entre a civilização mediterrânea e o mundo dito bárbaro germânico.

Essa fronteira não era protegida por muros de pedra, como a Muralha de Adriano, na Grã-Bretanha, que separava a província romana de Britânia das terras habitadas pelos bárbaros pictos e escotos – De fato, a fronteira da Gália com a Germânia era guardada por uma série de torres de vigia fortificadas e quartéis situados em pontos estratégicos. Em algumas partes mais vulneráveis, onde o Rio Reno poderia ser mais facilmente atravessado, os romanos construíram também longas paliçadas de troncos.

Mas a grande proteção contra invasores era fornecida em si mesma pela largura do Reno.

Entretanto, naquele rigoroso inverno, aconteceu do Reno congelar. E isso foi aproveitado por um grande número de tribos bárbaras que tinham migrado para a margem oposta do Rio fugindo dos hunos. Eram sobretudo Vândalos, Suevos e Alanos. Para piorar a situação, quando essa horda passou o lado romano, não havia nenhuma tropa romana suficiente para resistir, pois, justamente naquele mês, Estílicão necessitara deslocar as tropas romanas na Gália para enfrentar a segunda invasão de Alarico à Itália.

A Gália foi, em seguida, devastada pelos invasores, que, desta vez, tinham vindo para ficar. Era a província mais rica do Ocidente e ela nunca mais se recuperaria; não muito tempo depois, viriam os Francos, os Alamanos e os Burgúndios. Aliás,, seguindo-se à invasão de 406 D.C., os Suevos e Alanos só foram parar em Portugal, onde os primeiros se estabeleceram até o século VI, quando seriam derrotados e incorporados pelos Visigodos.

Por incrível que possa parecer, em meio a esse caos, os generais romanos ainda gastavam seus parcos recursos para disputar o trono. De fato, logo após a invasão da Gália e o desaparecimento do exército local, o comandante da ultima legião da Britânia vislumbrou uma oportunidade e se proclamou imperador romano do Ocidente. Adotando o nome de Constantino III, ele deixou a ilha e desembarcou na Gália para tentar conquistar essa importante província.

O “reinado” dele consistiria em vagar pela Gália e pela Hispânia, lutar algumas pequenas batalhas e, finalmente, ser reconhecido por Honório como co-imperador, pelo simples fato dele ser, no final de 408 D.C., o único romano que comandava alguma tropa no Ocidente, após o triste fim de Estilicão, que veremos adiante. Constantino III somente seria morto em 411 D.C.

O caos resultante da travessia do Reno pelos bárbaros era uma oportunidade que Alarico não poderia desperdiçar e ele intensificou a ofensiva contra Honório. Estilicão, dessa vez, premido pelas circunstâncias, concordou em pagar 4 mil libras de ouro a Alarico e o Visigodo, aceitando, deu meia-volta e retirou as suas tropas da Itália.

Para a surpresa geral, o Senado Romano sentiu-se ultrajado pelo pagamento do “resgate” do Ocidente a Alarico, tendo um senador inclusive assinalado, em um discurso indignado: “Isso não é um tratado de paz, mas um pacto de servidão!“. Talvez ele tenha se iludido de que os romanos ainda viviam os tempos gloriosos dos Cipiões, César ou Trajano.

Esse fato, mais a invasão da Gália e a revolta de Constantino III, minaram o prestígio de Estilicão na Corte de Honório, E o general ainda continuava enredado nas intrigas da Corte e concentrado nas disputas entre Oriente e Ocidente.

Em 408 D.C., Estilicão conseguira casar a sua filha, Thermantia, com o próprio Imperador Honório, que recém tinha ficado viúvo, tornando-se, assim, um membro da família imperial. Cresceram as suspeitas que o romano metade vândalo aspirava o trono para si. As suspeitas cresceram quando Arcádio, o imperador do Oriente, morreu. Honório, como imperador romano, planejou ir à Constantinopla tratar da sucessão do irmão falecido, mas foi aconselhado a não ir por Estilicão, que se ofereceu para ir no lugar dele.

No início de agosto de 408 D.C., algumas tropas se rebelaram na Itália, provavelmente instigadas pelos adversários políticos de Estilicão. O general se refugiou em Ravena.

Olímpio, um ministro da corte de Honório, convenceu o jovem imperador que Estilicão planejava usurpar o trono do Oriente. Honório, indignado, ordenou a morte do fiel e valoroso general. Consta que Estílicão poderia ter facilmente resistido à sua sentença de morte, pois eram muitos os soldados fiéis a ele, mas o relato é que ele aceitou, resignada e obedientemente, o seu fim. Ele foi executado em 22 de agosto de 408 D.C. Pouco depois, o seu filho, Euquério, também seria executado.

A execução de Estilicão foi uma flechada que Honório deu no próprio peito. Logo após a execução do infeliz general, alguns populares romanos atacaram as famílias de soldados bárbaros federados que formavam o exército de Estilicão e cerca de 30.000 soldados desse exército desertaram e fugiram, juntando-se a ninguém menos do que…Alarico!

Emperor-Honorius

O primeiro cerco de Roma

Em setembro de 408 D.C., um mês após a morte do seu maior adversário, Alarico e seu exército, agora reforçado, já estavam às portas de Roma. Começava o Primeiro Cerco de Roma.

Alarico esperava subjugar a Cidade pela fome, já que tentar invadi-la sem máquinas de assédio seria muito difícil e arriscado. Ela era protegida por imponentes muralhas e a sua população, para a época,  é estimada entre 600 mil a 800 mil habitantes. De qualquer modo, o pânico se instalou em Roma. Havia 800 anos desde a última vez que algo assim tinha ocorrido. Mesmo o temível Aníbal não chegara a sitiar Roma. Os que professavam o paganismo pediram autorização para celebrar os ritos pagãos pedindo proteção aos antigos deuses. Consultado, o Papa Inocêncio concordou, sob a condição de que as cerimônias fossem celebradas em particular.  Contudo, os sacerdotes pagãos desistiram, pois os ritos tinham que ser celebrados no Fórum Romano.

Uma delegação do Senado foi negociar com o rei visigodo. Os senadores perguntaram quais eram as exigências de Alarico. Este exigiu que os romanos entregassem “todo o ouro, toda a prata, todos os utensílios domésticos e todos os escravos germânicos que existiam na Cidade“. Os senadores, sarcasticamente, replicaram: ” E o que você pretende deixar conosco? Alarico respondeu:

“Vossas vidas”.

Insistindo, os senadores, tentaram blefar e afirmaram que as centenas de milhares de cidadãos de Roma tinham recebido treinamento militar e estavam preparados para luta. O bárbaro riu e afirmou:

Quanto mais grossa é a grama, mais fácil cortá-la…”

alaric 87fe48c1d4d231fd58a4e39b3ac10132.jpg

Quando a fome começou a incomodar demais (Roma dependia dos suprimentos de grãos que subiam o Rio Tibre, agora bloqueado pelos godos, que vinham transportados do Egito e do Norte da África, via Mediterrâneo), Roma finalmente cedeu e entregou a Alarico 5,000 libras de ouro, 30,000 libras de prata, 4,000 túnicas de seda, 3,000 peles tingidas de escarlate e 3,000 libras de pimenta. Milhares de escravos fugiram da cidade e se juntaram a Alarico, estimando-se que isso aumentou as suas fileiras para 40 mil homens. Momentaneamente saciado, Alarico levantou o sítio e foi para o norte, na região da Etrúria, em dezembro de 408 D.C.

Convém ressaltar que, embora possa parecer que assistir imóvel o cerco a Roma fosse uma covardia, ou algo inaceitável, o comportamento de Honório nesse episódio tinha bastante racionalidade: O Imperador e sua Corte estavam seguros em Ravena, onde os Visigodos não se atreveriam a atacá-los. Ele, de fato, não tinha mais um exército, mas havia uma chance de receber alguma ajuda de Constantinopla. Honório poderia esperar que Alarico e suas forças fossem diminuídas pela peste ou até mesmo pela fome, já que os bárbaros não eram muito versados em logística. Enquanto isso, ele tinha a frota romana no Porto de Classe e podia controlar o suprimento de grãos africanos.

ravenna download

O segundo cerco de Roma

E foi isso que aconteceu quando Alarico sitiou Roma pela segunda vez.

Em 409 D.C, os senadores romanos mandaram duas delegações à Ravena para pedir a Honório para assinar um tratado de paz com Alarico. Nesta segunda vez, até o Papa Inocêncio foi junto! Nesse ínterim, Ataulfo, o cunhado de Alarico, comandando um grande contingente de Godos, cruzou os Alpes Julianos com o objetivo de se juntar ao último. Honório ordenou que Olímpio e 300 soldados hunos da guarda imperial interceptassem Ataulfo. Eles teriam conseguido matar mais de mil godos, mas acabaram sendo forçados a se retirar para Ravena. Olímpio caiu em desgraça, foi demitido e fugiu para não ser executado. Foi substituído por Jovius, que tinha boas relações com Alarico.

Jovius se encontrou com Alarico e este lhe passou suas novas exigências: um pagamento anual em ouro e mais terras para os Godos, em várias províncias. Jovius transmitiu tudo ao imperador e sugeriu que fosse dado a Alarico o cargo de Comandante das Forças Armadas do Ocidente (Magister Utriusque Militae). Honório não só recusou, como ainda enviou uma carta a Alarico, cujos termos foram considerados por ele insultuosos.

Furioso, Alarico rompeu com as negociações. Parece que a súbita coragem de Honório devia-se ao fato de ter em perspectiva receber o reforço de 10 mil mercenários hunos. Honório, inclusive, exigiu que Jovius e o seu staff jurassem pela saúde do imperador que eles fariam guerra aos Godos. Quando soube desse rumor, Alarico “baixou a bola” e reduziu suas exigências. agora propondo que os godos recebessem terras na Nórica e um suprimento anual de trigo, o que chegou a ser considerado uma demanda razoável pelos contemporâneos. Mas mesmo esses termos mais suaves foram negados pelo Imperador.

Com isso, Alarico resolveu sitiar Roma novamente pela segunda vez, no final de 409 D.C. Temendo a volta da fome, o Senado foi negociar com Alarico. Desta vez, o rei visigodo procurou obter concessões que lhe dessem poder político e enfraquecessem Honório. Ele exigiu que o Senado apontasse um senador das suas fileiras e o proclamassem imperador. Mesmo depois de quatro séculos e meio do fim da República, o reconhecimento pelo Senado era uma formalidade essencial para a legitimação de um pretendente ao trono imperial. O Senado acedeu e escolheu Prisco Átalo, que, prontamente, nomeou Alarico Magister Utriusque Militae, e Ataulfo, Comes Domesticorum Equitum (Conde da Cavalaria da Guarda do Imperador). Obtidas essas concessões, o cerco, mais uma vez, foi levantado.

O “reinado” de Prisco Átalo durou só alguns meses, sendo ele dispensado pelo próprio Alarico, pois, esse usurpador fantoche estava atrapalhando as possibilidades de um acordo com Honório. Com efeito, a situação deste tinha ficado bem difícil porque o primeiro vinha assediando o governador da África, Heracliano, para que este abandonasse a Honório, inclusive enviando uma expedição para lá para forçá-lo. Por sua vez, Jovius havia desertado e se juntado a Prisco Átalo. Tudo isso fazia parecer bem provável que Honório acabaria cedendo às exigências de Alarico.

Na verdade,  Honório, em pânico, já fazia planos para fugir de Ravena e se abrigar em Constantinopla. Foi quando chegaram nas docas 4 mil soldados enviados pelo Imperador Romano do Oriente, Teodósio II, sucessor de Arcádio, com o objetivo de defender Ravena das forças de Alarico. Agora, realmente, a sorte de Honório parecia estar mudando, pois também chegou a notícia de que Heracliano havia derrotado as forças enviadas por Prisco Átalo e se mantinha fiel ao Imperador, inclusive mandando cortar o envio de grãos à Roma, devido à traição do Senado em dar suporte ao último.

Alarico tentou mais uma vez um acordo e acertou um encontro em pessoa com Honório, a 12 km de Ravena. O imperador mandou dizer que concordava. Na data marcada, enquanto esperava a chegada de Honório, Alarico foi atacado por Sarus, um chefe militar godo, que era um grande rival e inimigo de Alarico e de Ataulfo, e estava a serviço da corte imperial, mas eles conseguiram escapar. Em suma: o encontro tinha sido uma armadilha tramada pelo Imperador.

O terceiro cerco – O Saque de Roma

Alarico, cansado das trapaças romanas, marchou em direção à Roma, já que Ravena era inexpugnável. Começava o terceiro cerco.

O cerco durou cerca de um mês. Honório confiava que a Cidade resistiria por um tempo suficiente para enfraquecer os sitiantes godos. Então, o seu pequeno, porém renovado exército teria uma chance de derrotar os bárbaros. Porém, a verdade é que Roma já estava bem enfraquecida pelos dois cercos anteriores. Restava agora confiar nas Muralhas Aurelianas.

Digital StillCamera
Digital StillCamera

Quem já visitou Roma certamente passou pelas suas bem preservadas muralhas, erguidas pelo Imperador Aureliano, entre 271 e 275 D.C, como resposta à grave crise militar do final da 2ª metade do século III. Ainda hoje, elas são bem imponentes e, há 1600 anos atrás, elas deveriam ser mais impressionantes ainda.

Porta_san_Sebastiano_1973

Contudo, não há muralha nem fortificação que resista se quem abre o portão está do lado de dentro…

E, no dia 24 de agosto de 410 D.C.,  alguém, nunca se saberá quem, abriu a Porta Salaria, um dos inúmeros portões de acesso à cidade,  no caso um portão secundário, para que os Godos entrassem.

Os Godos permaneceram apenas três dias dentro da Cidade Eterna. Eles não tiveram nem tempo suficiente para promover uma destruição geral. Mas eles queimaram as Basílicas Emília e Júlia, esta erguida por Júlio César, que eram grandes salas de tribunais judiciários no Fórum Romano. O incêndio foi tão intenso que, até hoje, se vêem grudadas no piso moedas romanas, que derreteram pelo forte calor. As moedas são do reinado de Honório.

alaric-sack-rome-410

Os Jardins de Salústio também foram destruídos. Os Godos saquearam alguns monumentos públicos e mausoléus, como os de Augusto e de Adriano. As cinzas desses grandes imperadores ali guardadas foram dispersadas.

Quem sofreu bastante foram os moradores ricos de Roma. Aqueles que não mostrassem onde estavam os seus bens valiosos eram torturados. Muitos morreram.

Alarico era cristão, embora do credo Ariano, e poupou as Igrejas, mas do Palácio Laterano, a residência do Papa, ele roubou um grande vaso cerimonial de prata, pesando 2.200 libras.

Alaric_entering_Athens.jpg

Mas talvez a maior presa de Alarico tenha sido Galla Placidia, a filha do grande Teodósio I, e irmã do Imperador Honório, na flor dos seus 20 anos, uma das personagens femininas mais fascinantes da história romana.

Após três dias, Alarico, sabiamente deixou Roma rapidamente, provavelmente para poupar seu exército do risco de contrair doenças ou, com menor probabilidade, de ser apanhado por Honório dentro de Roma.

O rei visigodo dirigiu-se, em seguida, para o Sul, em direção as ricas e antigas cidades da Campânia, que por também estarem a 800 anos livres de invasores, ofereciam a perspectiva de generosas pilhagens.

Todavia, ainda no final daquele ano de 410 D.C, Alarico ficou doente e morreu. Consta que os Visigodos o enterraram no leito do rio Busento, próximo à cidade de Cosenza. Para tanto, eles teriam desviado o curso do rio, cavado a tumba e sepultado o rei com o seu tesouro, e, depois, restituído o rio ao seu curso normal. Os escravos que fizeram o trabalho foram mortos, para que o local exato nunca fosse revelado.

Alaric.jpg

Se isso for mesmo verdade e, um dia, esse tesouro, que deve conter muitos objetos romanos de ouro e prata saqueados, for achado, de certa forma, Alarico, ironicamente, terá dado uma grande contribuição para a preservação da arte romana…

Após a morte de Alarico, o seu irmão Ataulfo foi escolhido Rei dos Visigodos. A história conta que ele se apaixonou profundamente por Galla Placidia, casando-se com ela.

O saque de Roma ecoou pelo mundo com uma intensidade que somente podemos avaliar comparando-o com o ataque de 11/9 ao World Trade Center!

                                                                                    FIM