O “BOLSA-FAMÍLIA” DE ROMA

 

58E2C429-D5BD-4FB1-93E2-F30DA15665AF

Em 18 de maio de 332 D.C., o Imperador Constantino, o Grande, anunciou que o povo de Constantinopla também receberia a “Cura Annonae“, a distribuição gratuita de grãos que era feita aos cidadãos livres da cidade de Roma.

Tal medida colocava a população pobre da “Nova Roma Constantinopolitana” (nome oficial da nova capital) no mesmo plano de sua irmã mais velha e ilustre, a velha Roma, onde essa política era exercida desde a velha República, variando ao longo do tempo entre a distribuição gratuita de trigo (e de outros gêneros alimentícios, como carne salgada e azeite) e a venda a preços subsidiados. 

Oitenta mil cidadãos de Constantinopla faziam jus ao donativo (em Roma eram 200 mil).

Em Roma,  a existência de uma ração de trigo fornecida pelo Estado remonta a 440 A.C., com a instituição de um Prefeito da Anona (Praefectus Annonae). Mas durante muito tempo, esta era somente uma medida emergencial, para fornecer alimentação em tempos de secas ou crises excepcionais de abastecimento. A Anona era personificada como uma deusa,  e a distribuição dos grãos era feita no vetusto Templo de Ceres, de 493 A.C., na colina do Aventino, próxima ao Circo Máximo.

ceres templo R2FA

(Templo de Ceres, no sopé do monte Aventino)

Posteriormente, com a progressiva concentração da terra nas mãos de grandes latifundiários, enriquecidos pelas conquistas romanas (um fenômeno que contribuiu para o aumento do proletariado e o decorrente crescimento da população urbana de Roma), a facção dos Populares no Senado Romano passou a apoiar o fornecimento de grãos aos cidadãos livres de Roma a preços subsidiados.

Assim, a Prefeitura da Anona ficou encarregada de coletar os tributos pagos em gêneros, como era o caso do trigo, e vendê-las a preço baixo para a população pobre da cidade.  Os irmãos Graco defenderam essa política, e Caio Graco fez promulgar, em 123 A.C., uma  lei específica nesse sentido.

A Anona passou a ser, a partir de então, um elemento praticamente obrigatório na plataforma de todos os políticos que pretendiam os votos do cada vez mais numeroso proletariado romano com direito ao voto.

Em 58 A.C., Clodius Pulcher (Clódio), talvez o mais populistas de todos os integrantes da facção dos Populares, após ser eleito Tribuno da Plebe, conseguiu aprovar uma lei instituindo o fornecimento gratuito de trigo para praticamente todos os plebeus de Roma, o que implicou em grande aumento das despesas públicas.

Já o Ditador Júlio César, após assumir o poder supremo, legislou de modo a tornar a Cura Annonae mais restrita e organizada. Assim, o número de beneficiários foi recenseado, arrolando-se um número menor de beneficiários em relação aos tempos de Clódio. Por sua vez, o Imperador Augusto reduziu ainda mais o número de beneficiários da Anona, fixando-o em duzentos mil cidadãos.

Durante o início do Império Romano, o responsável pela administração da Anona era o “Curator Alimentorum“, que era um dos mais importantes postos da nova burocracia imperial, encarregados da execução de uma dos pilares da política dos imperadores, que ficaria conhecida como Política do “Pão e Circo“,  inspirada na expressão utilizada pelo poeta Juvenal, que criticava a tática de usurpar a soberania popular em troca de comida e de espetáculos.

PANEM ET CIRCENSIS 85141

A partir do imperador Septímio Severo, foi incluída na Anona a distribuição de azeite grátis. Posteriormente, o imperador Aureliano passou a distribuir, em vez de trigo, os próprios pães já assados, juntamente com rações de sal, carne de porco, na forma de toucinho,  e de vinho, por um preço baixo (mas, às vezes, estes também eram distribuídos gratuitamente).

Nero_Lugdunum_sestertius_691535

(Denário de Nero, mostrando a figura simbólica da Anona, foto de Classical Numismatic Group, Inc)

Para o sucesso e continuidade da Cura Anonnae era fundamental a existência de excedentes agrícolas, bem como de uma rede logística adequada. Note-se que os arredores da cidade de Roma, e mesmo a península italiana como um todo, não geravam excedentes para alimentar a população de Roma, que nos tempos de Augusto já tinha cerca de um milhão de habitantes.

Além disso, a tecnologia romana de transporte de carga por animais por via terrestre não permitia que a quantidade necessária fosse transportada pelas estradas. Com efeito, os Romanos não conheciam o arnês de coleira, de modo que o sistema de arreios que eles usavam não permitia que os bois levassem muita carga, pois eram sufocados pelo tipo de cangas que eles usavam.

Roman-wine-trade-Augsburg-Romam-Museum

Todavia, as regiões que produziam abundante excedente agrícola, inicialmente a Sicília e, tempos depois, o Egito e a África do Norte, eram todas ligadas à Roma por via marítima. Desse modo, o Império Romano organizou um sistema complexo de armadores e afretadores marítimos e fluviais (navicularii), que eram empresários particulares, mas rigidamente controlados pelo Estado,  construiu gigantescos portos, tais como o de Óstia, e também armazéns para possibilitar o transporte e a armazenagem dos grãos, além de muitos moinhos.

Ostia Antica, Foro delle Corporazioni con pavimento a mosaico

Estima-se que a Anona, em Roma, requeria o fornecimento  da descomunal quantidade de 600 milhões de libras de trigo, que deveria ser transportada, armazenada e distribuída na Cidade.

ostiae bcb3d7bb7486dd569436db96ab9a6bc8

 ostiae 7658113492_7904ace78a_b
(Porto de Óstia, na foz do Rio Tibre, reconstituição e foto aérea das ruínas)

VALENTINIANO II

VALENTINIANO II

Em 15 de maio do ano de 392 D.C na cidade de Vienne, capital provincial da Prefeitura Pretoriana da Gália, os camareiros da residência imperial ocupavam-se como os preparativos para o desjejum matinal e para a “cura corporis” do Imperador (cuidados de asseio e higiene pessoal) quando escutaram um grito aterrorizado, vindo do “sacrum cubiculum” (como era chamado o aposento particular do imperador). Em seguida, uma escrava saiu correndo de lá, chorando copiosamente. O camareiro-mor, temendo que o alarido despertasse o Imperador, correu para o quarto e estranhou que não estavam à soleira da porta nenhum dos “scutarii”, que serviam como guarda-costas do imperador…

Vienne_—Temple_d_Auguste_et_de_Livie
(Templo de Augusto e Lívia, na cidade de Vienne, foto de Troyeseffigy )

Após relutar um pouco, o camareiro-chefe abriu a porta e ficou petrificado. De uma arquitrave no teto pendia o corpo enforcado de um jovem vestido em deslumbrante traje de seda púrpura com fios de ouro. Era Valentiniano II,  o Imperador Romano do Ocidente.

Flávio Valentiniano (Flavius Valentinianus) nasceu em 371 D.C, filho do imperador do Ocidente, Valentiniano I, e da imperatriz Justina, a segunda mulher do imperador, que também teve com este outras três filhas: Galla, Grata e Justa. Valentiniano I já tinha um filho, Graciano, nascido em 359 D.C., de seu primeiro casamento com Marina Severa. Graciano foi preparado para suceder Valentiniano I,  tendo acompanhado, ainda criança, o seu pai em diversas batalhas e sendo, proclamado, em 367 D.C, com apenas 8 anos de idade, Augusto, ou seja, co-imperador.

Valentinian_II_detail

Em 375 D.C, Valentiniano I, considerado por muitos o último grande imperador romano, faleceu após mais um dos seus temidos ataques de fúria, nesse caso causada pelo comportamento insolente de embaixadores da tribo dos Quados. que lhe causou um derrame em plena audiência. Enquanto isso, o imperador Valente, irmão de Valentiniano, reinava, na metade oriental do Império, em Constantinopla.

Colosso-de-barletta

O súbito falecimento do grande e temido Valentiniano I deixou um vácuo de poder e causou uma crise ligada à sucessão do imperador falecido, pois os senadores romanos e os generais do Ocidente provavelmente não confiavam nas virtudes militares de Graciano.

Com efeito, a História mostraria que os generais e políticos ocidentais tinham certa razão para não terem confiança em Graciano. Ele demonstrou fraqueza com relação à disciplina das tropas, chegando a concordar com uma petição em que os soldados pediam para serem dispensados de usarem armadura (tal fato, aliás, provavelmente denota que o grosso das tropas eram compostas já por soldados de origem germânica). Graciano também mostrava-se muito propenso a intervir nos conflitos religiosos em favor da ortodoxia católica, o que desagradava núcleos adeptos do cristianismo herético ariano e, sobretudo, a rica e influente facção pagã do Senado de Roma, a antiga capital, que continuava a ter muita influência política.

Assim, alguns generais do exército romano, notadamente o general de origem franca Merobaudes, aclamaram como imperador o menino Valentiniano II, com apenas 4 anos de idade, forçando Graciano, então com 16 anos de idade, a aceitar o irmão caçula como co-imperador do Ocidente (inaugurando, dessa forma, a tendência que dominaria as últimas décadas do império romano: a escolha de imperadores fantoches por comandantes militares de origem bárbara). Graciano efetivamente controlava a Gália, a Hispânia e a Britânia, enquanto que a Itália, a Iliria e a África ficaram subordinadas a Valentiniano II.

Solidus_of_Valentinian_II_(YORYM_1998_853)_obverse

Todavia, em 378 D.C, uma das maiores catástrofes militares sofridas pelos romanos, veio sacudir esse precário arranjo da situação: Cerca de 200 mil Godos, após cruzarem a fronteira romana do rio Danúbio, procurando asilo motivado pela sucessão de migrações causadas pelo avanço das tribos hunas em direção ao Ocidente, acabaram se revoltando, invadindo a província romana da Trácia.

Ao saber da invasão, Valente, o Imperador Romano do Oriente, comandando todo o seu exército e sem esperar pelo auxílio das tropas ocidentais de seu sobrinho Graciano, resolveu atacar sozinho os bárbaros, mas foi fragorosamente derrotado, na chamada Batalha de Adrianópolis, onde dois terços do exército romano, cerca de 40 mil soldados, morreram, incluindo o próprio imperador Valente, cujo corpo jamais foi encontrado em meio à montanha de cadáveres.

Battle_of_Adrianople_greatest_battle_ancient

A morte de Valente  tornaria seu sobrinho Graciano, que já era o Imperador Romano do Ocidente, juntamente com seu meio-irmão Valentiniano II, de apenas 7 anos de idade (que governa nominalmente a Itália, d África e parte da Ilíria), automaticamente também Imperador do Oriente.

Contudo, com os Godos à vontade para se locomoverem nos Bálcãs ( o que ameaçava a própria Itália), não dispondo de outras opções militares, tendo em vista que mal acabara de concluir uma campanha contra os Alamanos, poucos meses antes do desastre de Adrianópolis, e também pelo fato de não haver mais generais experientes no Oriente, Graciano resolveu chamar o respeitado general espanhol Flávio Teodósio(Teodósio I)de seu retiro na Espanha e, em um raro gesto de desprendimento, nascido, é verdade, da necessidade, nomeou-o Augusto, em 19 de janeiro de 379 D.C, entregando-lhe o trono da metade oriental do Império Romano.

Theodosius-1_large

Entretanto, em 25 de agosto de 383 D.C, Graciano foi assassinado em Lyon, para onde teve que fugir após não conseguir debelar a revolta do general da Britânia, Magnus Maximus, um militar também de origem espanhola que havia servido como subordinado do Conde Teodósio, pai do imperador Teodósio I, e invadira a Gália para depor o imperador, supostamente devido ao fato das tropas estarem insatisfeitas com a preferência que Graciano dava às tropas compostas por bárbaros alanos.

Valentiniano II, que, como vimos, por influência dos generais francos, havia sido reconhecido por Graciano como co-imperador, seria o próximo alvo de Maximus. Teodósio I, então, pressionado pelas circunstâncias, acabou concordando em reconhecer Maximus como o novo imperador nas províncias governadas por Graciano, sob o compromisso de que Maximus, por sua vez, reconheceria Valentiniano II como co-imperador no Ocidente.

Esse acerto durou até 387 D.C, quando Maximusresolveu invadir a Itália para derrubar Valentiniano II e assumir ele mesmo o controle total do Ocidente. Um dos motivos principais foi a crescente influência de Teodósio nos assuntos da corte de Valentiniano II. Assim, o jovem imperador, acompanhado da mãe, resolveu fugir para Tessalônica, na parte oriental governada por Teodósio. Este resolveu intervir e, após combinar o seu exército com as forças remanescentes de Valentiniano II, comandados pelo general de origam franca, Flávio Arbogaste, bem como com as de seus aliados Visigodos e mercenários Hunos, conseguiu derrotar Maximusna Batalha de Siscia, no rio Sava, na atual Croácia, em 388 D.C.. Maximus conseguiu fugir, mas foi capturado e executado próximo a Aquileia.

Portanto, na prática, ainda que não de direito, Teodósio I tornou-se o virtual imperador de todo o Império Romano.

Considerando que Valentiniano II, na ocasião, somente tinha dezessete anos, Teodósio ainda ficou três anos na Itália, organizando o Império do Ocidente, somente voltando para Constantinopla em 391 D.C.  Embora, oficialmente, o novo imperador único do Ocidente passasse a ser Valentiniano II, contudo, o real poder no Ocidente estava nas mãos do general franco Flávio Arbogaste, que ocupava o cargo de Comandante-em-chefe da Infantaria (Magister Peditum Praesentalis).

Com efeito, durante todos esses eventos, Valentiniano II sempre havia sido um imperador-fantoche: Primeiro, na Ilíria, sob a proteção de Graciano, e, depois, nas mãos de sua mãe Justina, em Milão, a capital do Império do Ocidente, onde viveu por doze anos, até ter que fugir para Tessalônica.

ValentinianII375-392-1

Nesses anos em Milão, Justina tornou-se a virtual regente do Império Romano do Ocidente. Ela era adepta do cristianismo segundo a doutrina do bispo Ário (Para os cristão “arianos”, Jesus Cristo, o Filho de Deus, era subordinado ao Pai, e, portanto, esse credo negava o dogma da “Santíssima Trindade”. Para os católicos, isto somente poderia ser uma heresia).

Para azar de Justina, a figura mais influente em Milão naquela época era o Bispo da cidade, Ambrósio, um homem carismático e eloquente, de personalidade forte e muito bem relacionado, pois antes de ser bispo, havia sido governador da Província. Ambrósio era inimigo implacável de tudo que se opusesse à ortodoxia do credo niceno-trinitário, fosse o paganismo ou as heresias cristãs.

AmbroseOfMilan

Ambrósio, apenas com a sua determinação e força de seus sermões, já havia conseguido persuadir Graciano a retirar o quase ancestral altar da deusa Vitória da Cúria do Senado, em Roma, sob protestos dos senadores pagãos. Quando estes apelaram a Valentiniano II para que o altar fosse restaurado, Ambrósio convenceu o jovem imperador a negar o pedido. Ele também conseguira exonerar os bispos arianos no Concílio de Aquileia, e nem o poderoso Teodósio escapou de sua influência, sentindo-se obrigado a tomar uma série de medidas contra os pagãos, incluindo a proibição de sacrifícios.

Quando Justina tentou, entre 385 e 386 D.C, que uma basílica fosse consagrada ao culto ariano, Ambrósio ocupou o edifício com uma milícia de cristãos-ortodoxos,  que lá se entrincheiraram, protegidos por barricadas, forçando a imperatriz-viúva a desistir da ideia.

Porém, uma das iniciativas de Justina que teve sucesso foi o casamento da sua bela filha Galla, irmã de Valentiniano II, com Teodósio.

Após o usurpador Maximus ser derrotado, Valentiniano II foi residir em Vienne, capital provincial da Gália. Justina havia recém-falecido e os seus ministros foram nomeados por Teodósio, que também nomeou o poderoso general Arbogaste para o cargo de Magister Peditum Praesentalis.

Valentiniano, agora já em seus vinte anos de idade, começou a se ressentir do fato de ser apenas uma figura decorativa, totalmente dominada por Arbogaste. Para se ter um ideia dessa situação, em um episódio sintomático, certa vez Arbogaste matou, na presença do próprio imperador, um amigo deste, Harmonius, que havia sido acusado de corrupção.

O fato é que a única coisa que impedia Arbogaste de se apropriar do trono e coroar-se a si mesmo era a sua origem bárbara. Apesar da proeminência dos bárbaros no exército, era inadmissível para a sociedade romana que um germânico se tornasse imperador. Era uma realidade tão evidente que, mesmo na fase terminal do Império, nenhum general bárbaro jamais reivindicou o trono para si. O próprio Odoacro, quando destronou o último imperador romano do Ocidente, Rômulo Augusto, não ousou nomear-se Imperador Romano, mas, apenas Rex (Rei) da Itália, devolvendo as insígnias imperiais do Império do Ocidente à Constantinopla.

Valentiniano II tentou se libertar do jugo de Arbogaste, escrevendo cartas secretas a Teodósio, pedindo auxílio. E também buscou o apoio de Ambrósio, inclusive manifestando o desejo de ser batizado pelo Bispo segundo os rituais do Credo Niceno.

A tensão entre Valentiniano II e o seu general aumentou quando o primeiro resolveu demitir Arbogaste do cargo de Marechal da Infantaria do Ocidente. Consta que ao receber do imperador a ordem escrita, Arbogaste foi à presença de Valentiniano e lhe disse, em pessoa: “Não foi você quem me deu o meu comando e não é você quem pode tirá-lo de mim”, após o que, jogou a carta no chão, deu as costas e foi embora!

Segundo Philostorgius, um historiador da igreja de Constantinopla, Valentiniano, como último recurso desesperado, tentou pessoalmente matar Arbogaste, apoderando-se de uma espada de um dos seus guarda-costas,  mas acabou sendo impedido pelo mesmo.

Pouco depois desse incidente, Valentiniano II foi encontrado morto em seus aposentos imperiais. Ele morreu com apenas 21 anos de idade.

Não há, contudo, certeza absoluta de que Valentiniano II tenha sido assassinado. Rufino de Aquileia, um historiador mais próximo dos fatos, tanto temporalmente como espacialmente, escreveu que “ninguém pode estar certo do que aconteceu com o imperador”. Já o historiador Zózimo e outros, consideram que Valentiniano II foi assassinado a mando de Arbogaste. Alguns historiadores modernos acreditam que a causa da morte dele foi suicídio, decorrente do quadro depressivo que Valentiniano II deveria estar enfrentando pela reiterada insolência de Arbogaste e por sua submissão ao general. Ambrósio, em sua eulogia ao imperador, não aborda o assunto, até porque se ele mencionasse o suicídio, isso teria sido um grave pecado de Valentiniano, à luz da doutrina católica.

aaaa fb8ae33cf83f276a4d3a453fdf2c5581aae3a9cdf3228f3005b0dc4fe47f09dc

O fato é que Arbogaste conseguiu fazer o Senado Romano nomear o inexpressivo Eugênio, um político pouco influente e ex-professor de retórica, como Imperador do Ocidente, o que foi inicialmente reconhecido por Teodósio.

Porém, Eugênio e Arbogaste aproximaram-se da facção pagã do Senado Romano, autorizando, inclusive, a reabertura dos templos e a celebração de rituais pagãos em Roma, culminando com a restauração do Altar da Vitória na Cúria, o que enfureceu Ambrósio e deixou Teodósio em uma posição politicamente difícil na ortodoxa Constantinopla.

Assim, em 393 D.C, Teodósio elevou o seu próprio filho Honório à posição de Augusto no Ocidente, reconhecendo-o como Imperador, o que obviamente significou o seu rompimento definitivo com Arbogaste e Eugênio.

Em 394 D.C, Arbogaste e Eugênio, liderando tropas que lutavam sob a proteção de estandartes adornados com imagens de deuses pagãos, foram derrotados por Teodósio, na sangrenta Batalha do Rio Frígido. Após essa vitória, Teodósio I se tornou o último imperador a reinar sobre as duas metades do Império.

BattleofChalons4

A Ponte de Trajano, um legado romano de 2 000 anos

Chaves and around... Viagens à Chaves e Portugal

A Ponte Romana de Chaves é o legado mais importante do império romano “Aquae Flaviae” e quando passear em Chaves, é quase impossível não atravessar o ver este ponte que vai até ao centro medieval. Também chamada Ponte de Trajano, foi concluída no tempo do Imperador Trajano, durante o processo de romanização da região entre o fim do século I e o princípio do século II d.C, em sólido e duro granito transmontano. É uma obra notável de engenharia, com cerca de 150 metros de comprimento que ligava Bracara Augusta (Braga) e a cidade espanhola de Astorga, a antiga via Romana XVII.  Originalmente, a ponte tem ao menos 16 arcos mas hoje só 12 arcos são visíveis.

A meio da ponte estão implantados duas colunas, uma em cada lado, com inscrições latinas de carácter honorífico do Imperador em tributo das gentes flavienses que ajudaram na sua construção. Uma terceira coluna…

Ver o post original 331 mais palavras

Os marcos miliários de Chaves

Chaves and around... Viagens à Chaves e Portugal

O período Romano deixou muitos vestígios desta época florescente na nossa região de Chaves, entre os quais se podem citar os marcos miliários.

Os marcos miliários eram colunas cilíndricas em pedra, colocadas ao lado das estradas, onde uma inscrição além de dizer quem as mandou traçar ou reparar marcava as distâncias em milhas (que corresponde a 1600 metros).

De fato, o Império Romano era vasto, e os Romanos construíram uma rede de estradas importante para que o exército circulasse rapidamente por todo o território e assim manter o domínio dos povos conquistados. Estas estradas também serviam para enviar as riquezas de cada região para Roma, a capital do Império. Os Romanos precisavam destes colunas em pedra, que chamamos marcos miliários para não se perder no meio desta encruzilhada de vias.

Havia também os marcos de divisão territorial, que tal como o nome indica serviam para dividir os territórios diferentes.

Vestígios de…

Ver o post original 196 mais palavras

CLÁUDIO II GÓTICO

CLÁUDIO II GÓTICO

Claudio Gotico 800px-Santa_Giulia_4

(Busto de bronze do imperador Cláudio II Gótico, foto de Ronan.guilloux/gallery )

Marcus Aurelius Valerius Claudius (Cláudio II Gótico) nasceu em 10 de maio de 214 D.C , na região da Dardania, que fazia parte das províncias romanas da Ilíria e Moésia Superior.

Claudio era de origem humilde e o seu prenome denota que, provavelmente, ele foi um dos homens livres nascidos depois do Édito de Caracala, que estendeu a cidadania romana a todos os homens livres do Império Romano (Caracala se chamava Marco Aurélio Antonino Augusto). Acredita-se, assim, que a família de Cláudio seria de Ilírios recentemente absorvidos, e apenas parcialmente romanizados, que, como muitas outras famílias romanas do período, demonstrou o seu agradecimento dando o nome do benfeitor aos filhos.

De qualquer forma, como muitos dos seus conterrâneos Ilírios durante o século III, Cláudio alistou-se no Exército Romano e foi sendo promovido em virtude do seu desempenho. Consta que ele era dotado de tamanha força física que era capaz de arrancar os dentes não apenas de homens, mas também de bestas de carga, como cavalos e mulas, com apenas um soco.

Roman-soldiers-battling-Gothic-troops-as-depicted-on-a-contemporary-Roman-sarcophagus-c.-250-AD-National-Museum-Rome

(O relevo deste sarcófago romano de meados do século III D.C, mostra romanos combatendo bárbaros, possivelmente Godos, tanto a aparência dos soldados como dos bárbaros é bem estilizada, porém o soldado retratado na fileira do meio no canto direito pode ser considerado uma reprodução fidedigna de um soldado da época em que Cláudio serviu ao Exército)

Durante o reinado do imperador Décio Trajano, também ele um natural da Ilíria (porém, este era um integrante da classe senatorial), Cláudio alcançou o posto de Tribuno Militar e, no reinado do imperador Valeriano, ele foi promovido para um importante comando militar em sua província nativa.

Contudo, Valeriano foi capturado pelos persas em 260 D.C. (E ele morreria no cativeiro). O trono, então, foi assumido por seu filho Galieno. Durante o reinado deste último, Cláudio foi nomeado “Hipparchus”, isto é,  comandante da cavalaria de elite dos Comitatenses, recém criada por Galieno.

comitatuscavalry82

Em 268 D.C, o reinado de Galieno se encontrava acossado por várias ameaças externas e internas: Quase toda a Gália, a Espanha e a Bretanha eram controladas pelo usurpador Póstumo, e estas províncias tinham se tornado, na prática, independentes, sob a denominação de “Império Gaulês“. No leste, o rei de Palmira, Odenato, conseguiu derrotar os persas e restaurar a Síria para os romanos, mas tornou-se o governante de fato da região e virtualmente independente de Roma, com a tolerância de Galieno. Para piorar, nas regiões do Danúbio e do mar negro, pipocavam invasões de “Citas” (que era como os autores do período costumavam se referir aos Godos) e dos Hérulos.

Galieno lutou bravamente contra o Império Gaulês e os bárbaros, obtendo sucesso parcial. Ele conseguiu derrotar Póstumo e reconquistar parte da Gália até o Rio Ródano, mas, durante um sítio a uma cidade, o imperador foi ferido e teve que abandonar a campanha.

Após se recuperar, Galieno foi impedido de combater os Hérulos devido a um motim liderado pelo comandante de cavalaria Aureolus, em Milão.

Enquanto se preparava para combater Aureolus, em setembro de 268 D.C, Galieno foi morto por seus próprios homens, em uma conspiração até hoje obscura. Muito provavelmente, foram os comandantes mais importantes do Exército, como o general (e futuro imperador) Aureliano, o Prefeito Pretoriano Heracliano, o poderoso general Lúcio Aurélio Marciano, e, talvez, o próprio Cláudio, todos eles militares de origem ilíria, que decidiram que era hora de se livrar do desafortunado Galieno.

Alguns autores acreditam que Cláudio foi escolhido imperador pelo fato de ser admirado pelos soldados como um colega oriundo da tropa que dera provas de valentia e força. Outro motivo, seria a suposta percepção de que Cláudio, ao contrário de Aureliano, que era outro candidato em potencial,  seria menos rígido no que se refere à disciplina militar.

Claudis_II

(Antoninianus, moeda cunhada por Cláudio II, foto de Rasiel )

A  contestada História Augusta assevera que Cláudio não participou do complô contra Galieno e que foi este quem nomeou-o sucessor em seu leito de morte, mas muitos historiadores põem isto em dúvida, tal como Procópio, que escreveu sobre o período e menciona a participação de Claudio na trama. Acrescente-se, ainda, que a História Augusta notoriamente faz uma apologia da dinastia de Constantino, época em que a mesma foi escrita, e que Constantino alegava ser descendente de Cláudio, motivo pelo qual o seu autor tenderia a “dourar a pílula” dos relatos relativos a este último.

Não obstante, consta que Cláudio realmente mostrou uma índole branda ao pedir ao Senado que os familiares e partidários do odiado Galieno fossem poupados e, inclusive, ele mesmo solicitou ao Senado que o finado imperador fosse deificado. Após sua coroação, Cláudio passou a se chamar oficialmente Marcus Aurelius Valerius Claudius Augustus.

Em seguida, Cláudio sitiou Milão com o objetivo de capturar Aureolo, que se rendeu, mas foi executado pela traição a Galieno.

Porém, Cláudio teve que lidar com a muito mais ameaçadora invasão dos bárbaros Alamanos, que cruzaram os Alpes e entraram no norte da Itália.

allamani tumblr_lj778gpikX1qer9b0o1_400

Na Batalha do Lago Benaco (atual Lago Garda), no final de 268 ou início de 269 D.C, os Alamanos foram derrotados, perecendo metade da força invasora no combate. Por essa vitória, Cláudio recebeu o título de “Germanicus Maximus”.

A cronologia dos eventos é incerta, mas mais ou menos na mesma época, Cláudio infligiu uma esmagadora derrota aos Godos, que haviam invadido o Império no reinado de Galieno. Parece que essa campanha foi iniciada por Galieno e não se sabe com certeza se foi Cláudio ou Galieno quem reinava durante a decisiva Batalha de Naissos (atual Nîs, na Sérvia), onde os romanos esmagaram os Godos.

De qualquer forma, Cláudio certamente eliminou os últimos remanescentes da invasão e derrotou uma grande invasão naval dos Godos e capturando muitos deles, que foram incorporados ao Exército.

Entendemos que foi realmente Cláudio quem derrotou os Godos em Naissos, pois ele passou à História com o cognome “Gótico“, sem que houvesse contestação pelos historiadores contemporâneos. Além do mais, dificilmente o vencedor de tão importante vitória seria assassinado semanas ou meses após tão retumbante sucesso, como vimos que ocorreu com Galieno.

GothicInvasions_267-269-en.svg.png

(Mapa das invasões dos Godos durante o final do reinado de Galieno e o reinado de Cláudio II, mapa da lavra de Dipa1965)

Essa vitória foi tão importante que somente um século depois os Godos voltariam a ameaçar para valer o Império Romano. O general Aureliano teve importante participação como comandante da cavalaria romana na batalha, onde foi destruído e capturado o “laager“, o círculo defensivo de carroças tradicionalmente usado como reduto pelos Godos, formação que, na futura Batalha de Adrianópolis, cem anos mais tarde, seria fundamental para a vitória dos bárbaros.

frontier-wagon-circle

Cláudio II Gótico então voltou sua atenção para o Império Gaulês e enviou o general Júlio Placidiano para o sul da Gália, onde conseguiu restaurar a Hispânia e o leste do vale do Ródano para o domínio romano.

Porém, em 269 D.C, a viúva de Odenato, a poderosa Zenóbia, rompeu com o Império Romano e atacou com sucesso a Síria e o Egito. Acredita-se que Cláudio chegou a mandar uma força para contra-atacar a invasão de Zenóbia , mas a expedição teria sido derrotada.

Sem condições de intervir mais decisivamente no Oriente, devido a uma nova invasão no Ocidente, agora dos Juthungi, na Rétia, e dos Vândalos, na Panônia, Cláudio, após partir para Sirmium, para enfrentar os últimos, contraiu uma peste, provavelmente varíola, doença que teria sido introduzida no território do Império pelos Godos, e morreu em janeiro de 270 D.C, aos 59 anos de idade, sendo sucedido por Aureliano.

Map_of_Ancient_Rome_271_AD.svg

(Mapa do Império Romano no final do reinado de Cláudio II Gótico, imagem de historicair)

A carreira e reinado de Claudio Gótico são emblemáticos da era dos chamados imperadores-soldados, da segunda metade do século III D.C, todos oriundos dos povos ilírios de índole guerreira,  e que culminou com o reinado de Diocleciano, que, após reformas administrativas, fiscais e militares, conseguiu estabilizar a situação do Império, interna e externamente.

Os imperadores-soldados ilírios, notadamente Cláudio e Aureliano, foram cruciais para construir o terreno sobre o qual Diocleciano reestruturaria o Império Romano. Por isso, todos eles foram responsáveis por garantir a sobrevivência do Império Romano por mais 200 anos, após a crise do século III. Sem eles, a História da humanidade certamente seria muito diferente.

FLORALIA

FLORALIA

Entre 28 de abril e 03 de maio, celebrava-se em Roma o festival em homenagem a Deusa Flora, a deusa das flores e da primavera.

Como não poderia deixar de ser, o festival era uma alegre celebração do milagre da renovação da natureza, após o frio e cinzento inverno.

Acredita-se que Flora fosse uma divindade de origem sabina, povo latino que desde os primórdios de Roma unira seu destino ao dos romanos,  os quais nunca esqueceram completamente suas raízes de povo agrícola e pastoril.

Embora Flora não fosse considerada das divindades mais importantes do Panteão Romano no período imperial, seu culto era antigo e a deusa teve seus “flâmines”, ou sacerdotes privados, instituídos pelo rei Numa.

Parece que as prostitutas podiam participar da Floralia e a História registra que, de fato, Flora era um nome comum entre as cortesãs romanas.

Flora_MAN_Napoli_Inv8834