A BATALHA DE DIRRÁQUIO

#Dirráquio #Dyrrachium

A BATALHA DE DIRRÁQUIO

 

dirraquium

Em 10 de julho de 48 A.C.,  fazia cerca de um semestre que os exércitos dos rivais Caio Júlio César e Cneu Pompeu encontravam-se em um impasse, entrincheirados atrás de fortes posições defensivas, sem que um deles conseguisse atrair o outro para um engajamento decisivo.

A  Grande Guerra Civil de Roma havia começado em 16 de janeiro do ano anterior, quando César cruzou o Rio Rubicão com apenas uma legião.

Surpreendentemente, pouco tempo depois da célebre travessia, César tomou Roma sem precisar lutar, uma vez que Pompeu, o chefe dos exércitos senatoriais, junto com boa parte dos senadores integrantes da facção dos Optimates (nobres), perplexos com a rapidez e o sucesso da investida de César, concluiu que a melhor estratégia era deixar a capital e aglutinar suas forças.

Pompeu decidiu, então, partir para a Grécia, onde, explorando o seu prestígio e sua vasta clientela existente na região, poderia reunir um grande exército. Além disso, ele ainda tinha sob seu comando uma considerável frota romana, ao contrário de César, que tinha poucos navios disponíveis para perseguir Pompeu;

Acompanharam Pompeu, em sua retirada estratégica da Itália, a maior parte da facção dos Optimates. Assim, ao contrário de César, que era o comandante supremo de suas forças, Pompeu, por diversas vezes, tinha que escutar e levar em consideração os palpites militares dos senadores mais proeminentes, muitos deles sem experiência bélica.

César, devido à impossibilidade de perseguir Pompeu até a Grécia, decidiu, então, partir para enfrentar o grupo de exércitos do rival que se encontravam baseados na Hispânia. Chegando em Ilerda, após mais uma impressionante marcha forçada, César cercou o exército senatorial, que se rendeu em 02 de julho de 49 A.C.

Voltando para a Itália, César reuniu as 7 legiões que estavam disponíveis para serem transportadas, e embarcou em Brundisium (Brindisi), em 28 de novembro de 49 A.C, cruzando o mar Adriático em direção ào Épiro, na atual Albânia. Se o inverno era insatisfatório para transportar as tropas via marítima, o era muito mais para as instáveis galeras de patrulha da frota de Pompeu, assim, a cartada de César inicialmente foi um sucesso e ele desembarcou com metade de suas forças.

Porém o comandante da frota de Pompeu, ancorada em Corfu, Marco Calpúrnio Bíbulo, que tinha sido pego de surpresa pelo desembarque repentino de César, agora estav alerta, e decidiu bloquear a costa do Épiro, impedindo a chegada de reforços e de provisões para César. E o outro comandante naval fiel aos Optimates, Lúcio Escribônio Libo, chegou a capturar as ilhas que dominavam a entrada do porto de Brundisium, reforçando ainda mais o bloqueio das operações navais de César.

Agora, de fato parecia que a audácia de César o tinha levado longe demais. Pompeu tinha muito mais legiões do que ele no Épiro e, além da inferioridade numérica, o seu exército não poderia mais receber suprimentos. E, naquele momento, parecia que o Épiro, assim como toda a Grécia, estavam do lado de Pompeu

Pompeu, diante das notícias, resolveu que era hora de se mexer e marchar em Direção à Apolônia, na costa do Épiro. Porém, César, com a velocidade que lhe era característica, chegou lá antes, e a cidade grega, surpreendentemente, recebeu-o de braços abertos.

Quando ficou sabendo da perda de Apolônia, Pompeu decidiu fazer uma marcha forçada para a boa posição defensiva na cidade de Dirráquio (atual Durres, na Albânia, ou, ainda, Durazzo, em italiano), a qual ele alcançou em 3 de dezembro de 49 A.C. Essa marcha forçada não foi um bom prenúncio para os partidários de Pompeu. Nela ficou patente que o grande general já estava ficando velho, e que as tropas recrutadas estavam despreparadas e desanimadas.

Agora, os dois exércitos estavam separados pelo rio Apsus : o de Pompeu acampado nas cercanias de Dirráquio, e o de César, nos arredores de Apolônia. Apesar do exército de Pompeu ser muito mais numeroso, o veterano general, em uma demonstração de falta de combatividade, ou talvez por não confiar na capacidade do seu exército, ao invés de atacar César, ficou acampado por dois meses em atitude de espera…

Enquanto isso, César vinha requisitando o envio de reforços com urgência, tendo ele chegado a dizer, acerca do seu receio de que navios fossem perdidos devido ao rigoroso inverno:

Eu preciso de soldados, não de navios!”.

Para a sorte de César, Marco Antônio, o seu braço-direito, conseguiu despistar o bloqueio naval de Libo, que havia perdido um pouco da eficiência depois da morte de seu colega Bíbulo, e desembarcou mais quatro das legiões de César na cidade de Nympheum, em fevereiro de 48 A.C.

Quando a notícia do desembarque de Marco Antônio chegou, quase ao mesmo tempo, aos dois acampamentos, Pompeu decidiu interceptar os recém-chegados reforços e impedir que eles se unissem a César. Pompeu tinha a vantagem de não ter que cruzar o rio e, na verdade, ele começara a marcha um pouco antes. Assim, ele escolheu um ponto para tentar emboscar as legiões de Antônio que avançavam. Antônio, porém, foi avisado por simpatizantes gregos dessa armadilha e resolveu permanecer acampado, protegido de um ataque inimigo por paliçadas, fossos e torres.

Pompeu percebeu que, agora, era ele quem corria o risco de ficar entre uma posição fortificada inimiga e o exército de César, e achou mais prudente voltar para Dirráquio, onde ele se entrincheirou de vez, seguido por César, que também começou a construir uma cadeia de paliçadas, fossos e torres de fortificação, de modo que ambos os líderes foram tornando o campo de batalha, de certa forma, parecido com o que se veria, quase dois mil anos depois, na 1ª Guerra Mundial.

dyrrachium19956897_1382750728446875_4466493705723821189_o

 

Permitir a junção das reforços de Antônio com as legiões de César com certeza foi uma derrota tática de Pompeu. Se antes, quando ele tinha superioridade de 3 para 1, ele não atacara César, agora, então, isso seria muito mais difícil…

O plano de Pompeu, agora, era esperar que César ficasse sem suprimentos, já que ele mesmo poderia continuar a recebê-los da Grécia. César, por sua vez, como demonstram os trabalhos de fortificação que ordenou, também esperava proteger as únicas linhas que tinha de suprimentos por terra, no Épiro, província que estava longe de ser abundante em recursos, já bem exauridos pelos recentes combates, e, sobretudo, se proteger dos ataques do inimigo, muito mais numeroso.

Curiosamente, à medida que o tempo ia passando, o trigo dos campos que se encontravam dentro do perímetro fortificado de César começou a crescer, enquanto que Pompeu passou a ter problemas de escassez de água, e, assim,  este é que passou a ficar na condição de sitiado.

Essa aflitiva situação em breve obrigaria Pompeu a ter que atacar para romper as linhas de César. Mas, nessa premência, Pompeu seria beneficiado por um golpe de sorte: Dois comandantes de cavalaria da tribo gaulesa dos Allobroges, auxiliares no exército de César, acusados de desviarem o soldo dos seus soldados, desertaram, e foram se unir a Pompeu. Eles revelaram muitos detalhes acerca das posições defensivas de César, sobretudo  apontando algumas posições ao sul das linhas, que não tinham ficado prontas.

Dyrrhachium_48_en.png

Vislumbrando uma grande oportunidade, Pompeu ordenou, em 10 de julho de 48 A.C., um ataque de 6 legiões contra o ponto fraco do inimigo, em um local onde a paliçada de César chegava até o mar, inclusive utilizando tropas ligeiras, que desembarcaram diretamente da água, naquele ponto.

Contando com superioridade numérica esmagadora, as legiões de Pompeu conseguiram romper o perímetro defensivo, fazendo recuar a IX Legião inimiga, com pesadas perdas. César deslocou 4 mil homens para o ponto fraco, sob o comando de Marco Antônio e contra-atacou, fazendo as tropas de Pompeu se refugiarem em um pequeno forte que, anteriormente, havia sido abandonado pelos soldados de César, que, por sua vez, resolveu desalojá-los de lá enviando 33 Cohortes de infantaria, apesar desse número ser metade do das legiões que estavam sendo atacadas.

dyrrachium 970c91d69948c311243520fc498f1dc3

Ao contrário do que se esperava, as tropas de Pompeu lutaram tenazmente e ainda foram auxiliadas por um destacamento misto de cavalaria e infantaria que seu comandante enviou no calor da batalha para flanquear a retaguarda da ala direita dos soldados de César. Este tentou organizar uma retirada ordenada, mas os soldados entraram em pânico e correram para se proteger atrás dos muros de seus próprios acampamentos. Como resultado, César perdeu mil homens no ataque fracassado.

Mais uma vez, contudo, Pompeu hesitou no momento oportuno, e deixou de ordenar um ataque generalizado ao exército de César,  o qual teria grande probabilidade de lhe dar a vitória completa. Parece que ele, erroneamente, suspeitou que a retirada de César era uma armadilha ou, ainda, que a parada já estava ganha, e, por conta disso, acabou não fazendo nada, o que motivaria impiedoso comentário de César:

“Hoje a vitória teria sido dos Inimigos, se houvesse entre eles alguém que soubesse ganhá-la…”.

César decidiu se retirar do campo de Dirráquio e marchar para a Tessália, para onde ele já tinha enviado umas legiões sob o comando de Cneu Domício Calvino para confrontar as tropas de Pompeu lideradas por Cipião Násica.

Pompeu, da mesma forma, deixou o campo de batalha e seguiu para a Tessália. Embora, cautelosamente,  ainda achasse que não chegara a hora de lutar uma batalha decisiva, ele acabou sendo convencido pelo seu séquito de influentes senadores Optimates a perseguir César e o seu exército para forçar uma batalha decisiva.

O novo encontro ocorreria um mês depois em Farsália, e seria a batalha decisiva da Guerra Civil, embora o conflito não terminasse com ela…

 

SENADORES ROMANOS DA GÁLIA – ANTEPASSADOS DA NOBREZA EUROPEIA?

 

Publicamos no blog um artigo sobre o Imperador Avito (455-456 D.C). Na crônica que fizemos do seu reinado, me chamaram a atenção o patriotismo e a notável coesão da aristocracia senatorial galo-romana durante o século V, especialmente da região da Auvergne, centrada na cidade de Clermont, além das cidades de Tours, Arles e Lyon.

As cartas e poemas de Sidônio Apolinário ( *430 +489 D.C), um conhecido diplomata, político e poeta galo romano sobre quem escrevemos outro artigo, um membro da prestigiada classe senatorial da Província que chegou a ocupar o cargo de Prefeito Urbano de Roma, descrevem as provações que a Gália e sua elite enfrentaram durante as invasões bárbaras da fase final do Império Romano do Ocidente.

A leitura de Sidônio Apolinário, que pode e deve ser feita em conjunto com a “História dos Francos“, de Gregório de Tours (ele também um descendente da classe senatorial galo romana, mas que escreveu pouco mais de um século depois de Sidônio), demonstra como os senadores galo romanos conseguiram não apenas preservar em um grau considerável as suas propriedades e a sua posição social, durante os primeiros reinos bárbaros instalados no que tinha sido a província romana da Gália, mas até mesmo influenciar a política e o desenvolvimento destes mesmos estados originados do desmembramento do Império.

As fontes do período demonstram que, para conseguir feito tão notável, a ferramenta principal utilizada pela aristocracia galo romana foi a Igreja Católica.

Com efeito, quase todos os senadores galo romanos que abordamos no artigo sobre Avito, bem como os que mencionaremos a seguir, tornaram-se Bispos de Clermont-Ferrand, Tours, Arles, Metz, Uzes, Lyon, Reims e muitas outras cidades da atual França, exatamente aquelas onde a língua e a cultura clássica romana foram melhor preservadas.

Arles.jpg

Pela simples leitura de Apolinário e de Gregório de Tours, percebemos que, com o desaparecimento da autoridade civil e militar romanas, os bispados passaram a atuar como se fossem verdadeiros magistrados romanos: resolvendo disputas jurídicas, provendo o abastecimento em situações de calamidade, organizando a defesa das cidades contra os bandos armados, etc.

Roman_Empire_with_dioceses_in_400_AD.png

( A igreja católica copiou a organização administrativa do Império Romano Tardio)

E, para conferir um mínimo de organização aos primeiros reinos bárbaros, bem como para regular as suas relações com os seus novos súditos -os antigos cidadãos romanos (que ainda constituíam a maioria da respectiva população) os reis germânicos dependiam do auxílio de homens letrados. Note-se, por exemplo, que os primeiros códigos de leis do reino visigótico e do reino burgúndio foram elaborados por membros da citada aristocracia senatorial, os quais continuaram ocupando postos importantes nas cortes germânicas.

Penso que a situação da Gália pós-imperial, nas primeiras décadas que se seguiram ao desmembramento do Império Romano do Ocidente, devia ser  parecida a uma mistura de Velho Oeste Americano, de Sertão brasileiro dos coronéis e cangaceiros. e da Sicília, no apogeu da Máfia Italiana, onde, em meio a um Estado fraco, os grandes senhores ou chefes locais exerciam a sua autoridade, cada um com seu bando armado. Vale observar que os bárbaros, fossem os Visigodos, na Aquitânia (e, depois, na Hispânia), os Burgúndios (que dariam o nome à Borgonha, onde se assentaram) ou os Francos, não eram numerosos. Para os primeiros, por exemplo, a estimativa é a de que a sua população deveria estar na casa dos 200 mil indivíduos. Os Burgúndios deveriam ser por volta de 80 mil. E os Francos deviam estar entre algum desses números…

E os bárbaros provavelmente não tinham nem o efetivo, nem o ânimo para controlar diretamente cada uma das imensas propriedades detidas pela nobreza galo romana, onde devia trabalhar e morar uma considerável população de colonos e escravos, proporcionando aos seus proprietários uma força não desprezível para se defender, senão de um exército, pelo menos de pequenos ou até mesmo bandos médios de atacantes bárbaros, caso isso fosse inevitável. Assim, um compromisso entre os chefes germânicos e os grandes senhores de terra era mais do que natural…

Com a conversão dos Francos ao Cristianismo Católico do Credo Niceno, foi-se o último obstáculo para uma acomodação com a classe dirigente galo romana. Na verdade, a conversão do rei franco Clóvis ( que foi convertido pelo bispo Remigius,  que depois viraria Saint Remy, também ele um integrante da aristocracia galo romana e amigo de Sidônio Apolinário) é um dos fatores pelos quais a França manteve a sua herança romana de forma muito mais marcante do que os outros reinos bárbaros.

Saint_Remigius_binding_Medieval_Picardie_Museum

(São Remígio batizando Clóvis, relevo em marfim, c. 870 D.C.)

GENEALOGIA DA NOBREZA EUROPEIA  ATUAL RECUARIA ATÉ A ROMA ANTIGA

É fato incontroverso que praticamente todas (senão todas) as casas reais da Europa, reinantes ou pretendentes em caso de restauração monárquica, podem, sem muita dificuldade, traçar sua árvore genealógica até o rei Carlos Magno, rei dos Francos e fundador do Sacro Império Romano-Germânico, no ano de 800 D.C.

Carlos Magno nasceu por volta do ano 742 D.C e teve 18 filhos. Portanto, somente por esse fato, muitos milhares de pessoas, hoje, podem traçar sua genealogia até ele. Genealogistas conseguem desenhar, com certa segurança, o traçado de uma árvore genealógica de uma pessoa viva até o grande rei franco, desde que essa pessoa provenha de uma família que tenha mantido alguns documentos de ancestrais não muito distantes e  assim é torna-se possível conectá-los com a legião de nobres europeus que descendem do referido Sacro-imperador.

 

Charlemagne_denier_Mayence_812_814.jpg

(“denário” cunhado por Carlos Magno. O Imperador se considerava um sucessor dos imperadores romanos e se a Prosopografia estiver correta, a pretensão tinha bases não apenas políticas, mas  também genealógicas)

Porém, recuar qualquer genealogia europeia para aquém do século VIII D.C, sempre foi bastante difícil: antes disso, a Europa estava mergulhada no período mais sombrio da Idade Média, ao que corresponde a escassez de documentos e fontes históricas sobre o período entre o século VI, quando os últimos autores remanescentes do Império Romano começaram a serem engolfados pelo caos, e o século VIII, quando houve o chamado “Renascimento Carolíngio” e as condições do continente europeu experimentaram uma melhora.

Alguns pesquisadores tem se valido, para tentar preencher esse hiato, da “Prosopografia“, que pode ser entendida como o estudo das características comuns de um grupo social histórico, cujas biografias individuais podem ser consideravelmente não-traçáveis, através do estudo coletivo de suas vidas, em análises de múltiplas carreiras. A pesquisa prosopográfica, portanto, tem como meta o estudo de padrões de relacionamentos e atividades através do estudo biográfico coletivo. Assim, ela coleta e analisa estatisticamente quantidades relevantes de dados biográficos acerca de um grupo bem definido de indivíduos.

Por conseguinte, a Prosopografia vai além da Genealogia (embora inevitavelmente tenha que se valer muito desta), pois o escopo da primeira é estudar a relação entre um grupo social e os acontecimentos históricos, valendo-se da trajetória individual pública, dos relacionamentos públicos e privados entre os integrantes deste grupo e entre estes e os demais grupos sociais. Não obstante, a Prosopografia pode também contribuir para completar as lacunas da genealogia dos indivíduos, através do estudo de uma “rede prosopográfica“, que se vale das ferramentas da análise de redes sociais, onde, inclusive, podem ser empregadas a matemática de sistemas complexos e estudos gráficos.

A maior autoridade na Prosopografia do final do Império Romano e da Alta Idade Média é o historiador francês Christian Settipani, autor das obras ” Les Ancêtres de Charlemagne” e “Nos ancêtres de l’Antiquité“.

ancestres de antiquite 51R9vUTwTYL._AC_US218_

Segundo os estudos de Settipani, a conexão de Carlos Magno com os senadores galo-romanos segue a genealogia da família dos Pipinidas, também conhecidos como Arnulfidas:

É consenso que Carlos Magno (*742 +814 D.C.) era filho de Pepino, o Breve (* 714 + 768 D.C.), que era filho de Carlos Martelo (* 686 +741 D.C.), que era filho de Pepino de Herstal (*635 +714 D.C.), que era filho de Ansegisel (*602 ou 610 + antes de 679 D.C.), que era filho de Arnulfo (Santo Arnulfo, Bispo de Metz *582 +645 D.C.), que era filho de Arnoaldo (*540 ou 560 +611 D.C), também Bispo de Metz .

Segundo Paulo, o Diácono (século VIII D.C), Arnoaldo era um romano de “família senatorial” e era filho de Ansbertus (uma crônica do reino dos Francos, também do século VIII confirma isso) e de Blithilde ou Bilichilde (*538 +603 D.C), filha do rei franco merovíngio Cariberto I e neta de Clotário, rei dos Francos que, por sua vez, era filho do rei Clóvis, o fundador da dinastia dos Merovíngios.

De acordo com a Commemoratio Genealogiae Domni Karoli Glorissimi Imperatoris , do início do século IX, Ansbertus era filho do aristocrata galo-romano Ferreolus de Rodez (* c. 485 D.C.), originalmente de Narbonne, e que depois se estabeleceu em Rodez, e de  Doda, filha de Cloderico, rei dos Francos Ripuários. Ferreolus de Rodez, por sua vez, era filho do senador galo-romano Tonantius Ferreolus (II) *c.440 + c.517 D.C. e de sua esposa Industria.

Acredita-se que Industria fosse a filha de Flavius Probus, senador romano originário de Narbonne. Flavius Probus era filho de Flavius Magnus, Senador de Narbonne e Cônsul para o ano de 460 D.C. Há uma teoria de que Flavius Magnus seria filho de Flavius Felix, Cônsul para o ano de 428 D.C, e sua mãe seria filha de Flavius Julius Agricola, senador de Narbonne, duas vezes Prefeito Pretoriano da Gália e Cônsul para o ano de 421 D.C., e que se supõe ter sido o pai de Avito, Imperador Romano do Ocidente (455-456 D.C.), o qual era originário da nobreza senatorial galo-romana da cidade de Clermont-Ferrand.

Solidus_Avitus_Arles_(obverse)

(Solidus do imperador romano Avito)

Tonantius Ferreolus (II) era filho de Tonantius Ferreolus (I) e de sua esposa Papianilla. Ele era muito amigo de Sidônio Apolinário, também ele um aristocrata romano da Gália, da cidade de Clermon-Ferrand, que chegou a ser Prefeito Urbano de Roma em 469 D.C. e senador. As cartas de Sidônio Apolinário são uma importante fonte para os eventos do final do Império Romano na Gália. Em uma das cartas, Sidônio menciona a boa acolhida que teve na grande propriedade do pai do amigo, Tonantius Ferreolus  (I), em Prusianum, na região de Gard.

Tonantius Ferreolus (I) *390 +475 D.C., também foi senador e  ocupou o importante cargo de Prefeito Pretoriano da Gália, em 451 D.C. e, embora o nome de sua mãe não seja citado nas fontes, sabe-se que ela era filha de Flávio Afrânio Siágrio, originário de Lyon, que foi Prefeito Urbano de Roma e Cônsul no ano de 382 D.C. Este Flávio Afrânio Siágrio muito provavelmente é ancestral do Siágrio que protagonizou a última resistência contra os Francos e o seu rei Clóvis, na Batalha de Soissons, em 486 D.C.

A esposa de Tonantius Ferreolus (I), Papianilla, segundo Christian Settipani, seria sobrinha do imperador Avito.

O último Tonantius Ferreolus citado, pai, era casado com Papianilla, que provavelmente era prima de outra Papianilla, esposa de Sidônio Apolinário, e esta, por sua vez, era filha do Imperador Romano do Ocidente, Avito, como já mencionamos no artigo sobre este último, o qual recomendamos aos nossos amigos que também leiam para ter um panorama completo da importância da classe senatorial galo-romana nos eventos que marcaram o fim do Império e o nascimento da Europa Medieval.

Os estudiosos propõem também uma linha alternativa, não necessariamente excludente, através do tataravô de Carlos Magno, Angegisel, cuja esposa, Begga, era filha de Pepino de Landem, Major Domus do Palácio de reino franco da Austrásia, e de sua esposa Itta, que que seria filha do Bispo de Metz, Arnoaldo, que já mencionamos acima. E por meio deste último, essa linha genealógica também recuaria até Ansbertus e os senadores galo-romanos.

Obviamente que se tratam de teorias conjecturais e especulativas, mas com um bom grau de consistência, que ainda podem vir a ser comprovadas pela arqueologia e, quem sabe, pela pesquisa genética. Nesse caso, a rainha Elizabeth II, Dom Pedro II e todos os Orleans e Bragança e, quem sabe, até você, leitor, seriam descendentes de senadores romanos!