LÍVIA DRUSILA – ESPOSA, MÃE, AVÓ E BISAVÓ DE IMPERADORES ROMANOS

LÍVIA DRUSILA (JÚLIA AUGUSTA) – ESPOSA, MÃE, AVÓ E BISAVÓ DE IMPERADORES

#LÍVIAAUGUSTA #LIVIADRUSILLA #IMPERATRIZ

Em 30 de janeiro de 58 A.C., nasce, em Roma, Livia Drusilla (Lívia), filha do senador romano Marco Lívio Druso Claudiano e de sua esposa Aufídia.

Livia_Drusilla_Louvre_Ma1233.jpg

O nome de nascença do pai de Lívia era Ápio Cláudio Pulcher, mas, por circunstâncias cujo conhecimento se perdeu, ele foi adotado pelo Tribuno da Plebe Marco Lívio Druso, recebendo, assim, o nome do pai adotivo, adicionado do cognome “Claudiano”, para indicar sua ascendência sanguínea.  Lívia  e seu  pai, portanto, eram, segundo Suetônio, descendentes diretos do célebre Cônsul, Censor e Ditador da República Romana, Ápio Cláudio Ceco, que, entre outros feitos, construiu a Via Ápia, em 312 A.C. sendo integrantes de uma das mais ilustres famílias da aristocracia romana.

Já a mãe de Lívia, Aufidia, era filha de Aufídio Lurco, originário de uma família plebéia da cidade latina de Fundi, mas que conseguiu ser eleito Tribuno da Plebe em 61 A.C. Como curiosidade, consta que Aufídio foi o primeiro a criar e vender pavões para abate, enriquecendo em função disso (a carne de pavão,  sobretudo as línguas dessa ave, tinham se tornado uma iguaria da alta gastronomia romana).

0a81d7c0f6e633a393e22ef0bf583484.jpg

Aproximadamente entre 43 A.C e 42 A.C, Lívia casou-se com seu primo Tibério Cláudio Nero, que havia servido como questor e lutado ao lado de Júlio César. O casal, logo em 42 A.C, teve um filho, que recebeu o mesmo nome do pai e que futuramente se tornaria o segundo imperador romano, Tibério.

Contudo, durante a Guerra Civil que se seguiu ao assassinato de Júlio César, tanto Marco Lívio Druso quanto Tibério (pai) escolheram o lado de Bruto e Cássio, os líderes da conspiração senatorial para assassinar o Ditador. O pai de Lívia chegou a lutar na Batalha de Fílipos e também cometeu suicídio quanto as tropas dos “Libertadores” foram derrotadas pelas forças de Marco Antônio e Otaviano, que se tornaria mais tarde o futuro imperador Augusto.

Quando começaram as perseguições políticas, proscrições e confiscos movidos pelos Triúnviros Antônio, Otaviano e Lépido contra os inimigos políticos do Segundo Triunvirato, Tibério e Lìvia, carregando o bebê Tibério com apenas 2 anos, tiveram que fugir de Roma, em 40 A.C., indo se juntar a Sexto Pompeu, na Sicília, que prosseguia a guerra movida pelos partidários da supremacia nobreza senatorial contra o Triunvirato. Após assinarem uma trégua com Sexto Pompeu, os Triúnviros resolveram anistiar os opositores, e Lívia e seu marido puderam voltar para a Roma, em 39 A.C.

Foi naquele ano de 39 A.C, já em Roma, que a jovem matrona Lívia, em algum evento social, foi apresentada a Otaviano, o Triúnviro e herdeiro de César. Ela tinha apenas 18 anos de idade, mas já estava grávida do segundo filho, que se chamaria Druso. Por sua vez, o jovem Otaviano, que tinha somente 24 anos, já estava no segundo casamento, com Escribônia, cinco anos mais velha do que ele e também grávida da única descendente que ele teria durante toda a sua vida, a sua filha Júlia, “a Velha” (assim chamada para distingui-la de outras homônimas posteriores. Cuidado para não confundi-la, com outra Júlia, filha de César). O casamento de Otaviano e Escribônia decorreu de um arranjo político entre o Segundo Triunvirato e Sexto Pompeu, pois Escribônia era irmã da esposa do segundo.

Livia_Drusila_-_Paestum_(M.A.N._Madrid)_01augustus jovem.jpg

Segundo as fontes, Otaviano se apaixonou à primeira vista por Lívia, cujos retratos existentes de fato denotam uma beleza suave e serena, além de porte aristocrático. Pouco depois, ainda em 39 A.C, Otaviano se divorciaria de Escribônia. Apesar deste ser um casamento arranjado, não deve ter deixado de causar algum rebuliço na sociedade romana o fato de o divórcio ter sido oficializado no mesmo dia em que Escribônia deu a luz à Júlia (30 de outubro de 39 A.C.)!

 

Julia_Augusti.TIF

 

(Busto de Júlia, “a Velha”, filha de Otaviano (Augusto) e Escribônia, foto de Miguel Hermoso Cuesta)

Imediatamente, Tibério Cláudio Nero foi “convencido” a se divorciar de Lívia, não se sabendo, entretanto, de nenhuma reclamação da parte de ambos. Com efeito, Tibério aceitou o fato com resignação e até deve ter vislumbrado a possibilidade de futuras vantagens. Por sua vez, também é muito provável que Lívia tenha se sentido também atraída por Otaviano, afinal, ele tinha quase a metade da idade de Tibério (46 anos), tinha boa aparência e já era, juntamente com seu colega de Triunvirato, Marco Antônio, o homem mais poderoso de Roma. Lívia estava então grávida de seis meses de Druso. Além da paixão que os relatos dizem que Otaviano sentia por Lívia, a escolha dele também deve ter levado em consideração o prestígio da gens Cláudia, uma das famílias patrícias mais tradicionais de Roma.

Há uma tese, inclusive baseada em indícios de problemas de saúde aparentemente hereditários, de que Druso na verdade poderia ser filho de Augusto (Otaviano), fato que teria sido convenientemente ocultado para não comprometer a reputação de homem de conduta moral ilibada que Augusto sempre prezou,  a qual seria passível de ser manchada pelo adultério de Lívia.

Em 17 de janeiro de 38 A.C, três dias após o nascimento de Druso, Otaviano e Lívia se casaram. O casamento duraria 51 anos, até a morte de Otaviano, já chamado de Augusto, em 14 D.C. Lívia somente ficou grávida uma vez de Augusto, mas a criança nasceu prematura e não resistiu ao parto. Eles nunca mais tiveram outros filhos.

Em uma sociedade extremamente patriarcal como Roma, Lívia conseguiu ser influente e ter voz nos assuntos de Estado, servindo virtualmente como conselheira privada de Augusto. Em 35 A.C, ela recebeu o incomum direito de administrar o próprio vasto patrimônio sem necessidade de um tutor ou de concordância do marido (outorga uxória). Lívia teve estátuas erguidas e moedas cunhadas em sua homenagem, uma honra até então exclusiva do sexo masculino.

Dupondius-Livia-RIC_0043v

(Dupondius (moeda romana), de Lívia)

Politicamente, Lívia representou a síntese das virtudes matronais que Augusto pretendeu fomentar na sociedade romana, já que ela era, reconhecidamente, uma mulher de dignidade e castidade lendárias (vale dizer que os historiadores do reinado de Augusto, como Suetônio, pródigos em relatos da vida sexual do círculo imperial, nada relataram, nesse sentido, quanto à Lívia).

Da mesma forma, Lívia sabia a importância que seu papel de esposa-modelo tinha no Principado inaugurado por Augusto: Consta que, certa vez, perguntada sobre o que tinha feito para ter tamanha e decisiva influência sobre o Imperador, ela teria respondido, com perspicácia e até certo sarcasmo:

“Que isso era devido ao fato de ser ela mesmo escrupulosamente casta, fazendo qualquer coisa que fosse motivo de agrado para ele; não se metendo em seus assuntos; e, em particular, por não ouvir e não notar nada acerca das favoritas que foram objeto das paixões dele”.

Apesar de interpretar publicamente o seu papel de boa esposa com maestria, parece unânime que Lívia manobrou, com sucesso, para tornar seu filho Tibério  o herdeiro e sucessor de Augusto. Nesse ponto, a biografia de Lívia torna-se um tanto sombria, quase como uma espécie de “Madastra Má”. Muitos historiadores atribuem-lhe o exílio do neto de Augusto, Agripa Póstumo, e as mortes do sobrinho e de outros 2 netos dele e potenciais herdeiros: Marcelo, Caio César e Lúcio César, que estavam no caminho de Tibério para o Trono e morreram todos jovens.

Quando Augusto morreu e seu filho adotivo Tibério sucedeu-o, houve rumores de que Lívia teria envenenado o velho imperador, mas é muito mais provável que Augusto tenha morrido de velhice.

Lívia, que passou a ser  oficialmente chamada de “Júlia Augusta”, durante um bom tempo foi tratada pela opinião pública como co-governante e igual a Tibério, o que muito desagradou o novo imperador, que retirou algumas das prerrogativas que o Senado quis conceder a ela. Devido a isso e às seguidas interferências de Lívia no governo que se iniciava, Tibério, progressivamente, afastou-se da mãe, que agia como uma poderosa “dowager” (expressão inglesa que significa a rainha-mãe ou imperatriz viúva que permanece com influência no reino).

Como se não bastasse tudo isso, Lívia, no começo do reinado, foi acusada de mandar envenenar o adorado general Germânico, sobrinho de Tibério que Augusto exigiu que fosse adotado por aquele como sucessor. Germânico morreu no ano de 19 D.C e houve um inquérito que resultou na prisão do governador da Síria, Pisão, como principal suspeito. Tácito inclina-se pela tese de que a morte de Pisão, que alegadamente teria se suicidado no cárcere, enquanto aguardava o seu julgamento, teria sido uma conveniente queima de arquivo, e o historiador parece dar crédito à versão de que a morte de Germânico foi tramada por Lívia.

Em 28 de setembro de 29 D.C, Lívia Drusila morreu com a avançada idade de 87 anos. Consta que Tibério, que então vivia  afastado da Corte em sua fabulosa  Villa Jovis, em Capri, não foi ao velório da mãe, embora a cremação tenha sido retardada vários dias pelos cortesãos que esperavam a sua chegada, até que a decomposição natural do cadáver obrigou aos responsáveis pelo funeral a acender a pira. Além disso, Tibério não permitiu que diversas honras públicas e homenagens fossem conferidas à mãe. Foi somente no reinado do imperador Cláudio, neto de Lívia, que as honras dela foram restauradas, e realizada a sua deificação, em 42 D.C.

Livia

(Estátua de Lívia, trazendo a cornucópia da abundância, provavelmente ligada ao seu culto)

Mostra a impressionante trajetória de Lívia, o fato de que, quando ela nasceu, Júlio César ainda não tinha conquistado a Gália e a República Romana ainda era um regime comandado pelo Senado e pelos magistrados eleitos. Ela foi esposa do primeiro imperador, mãe do segundo, bisavó do terceiro, avó do quarto (Cláudio, que a deificou) e tataravó do quinto e último imperador da dinastia dos Júlio-Cláudios (Nero), uma dinastia que poderia muito bem ser chamada de “Liviana”…

Seu bisneto, Calígula, referia-se a Lívia como “Odisseu de saias“, comparando-a ao mitológico herói Ulisses, em termos de astúcia e dissimulação.

ROMA E SEUS MUROS

Os muros voltaram!

Em pleno século XXI, governantes voltam a investir na construção de muros. Nos Estados Unidos, o polêmico e contestado Presidente Trump elegeu-se tendo com uma de suas promessas a construção de um muro na fronteira dos Estados Unidos com o México. Israel constrói muros separando o país e o território controlado pela Autoridade Palestina; na Hungria, o governo está construindo um muro na fronteira sul do país para impedir a entrada de refugiados  vindos do Oriente Médio…

 

 

A construção de barreiras contra inimigos, reais ou ilusórios, é uma medida recorrente na história dos povos através dos tempos, com maior ou menor sucesso.

Quase todas as cidades do Velho Mundo, e até mesmo do Novo Mundo, tiveram muralhas. Até o século XIX, elas faziam parte da paisagem urbana européia: é verdade que Londres, a precursora, derrubou as suas por volta de 1760, mas as de Viena duraram até 1857. Paris as teve até 1860 e Madri, até 1868.

Em Roma, as primeiras muralhas teriam sido construídas pelo seu sexto rei, Sérvio Túlio, que reinou de 575 a 535 A.C. Essas muralhas provavelmente foram destruídas ou abandonadas durante o domínio etrusco, sendo que, após a invasão gaulesa e o saque de Roma, em 390 A.C, foram levantados novos muros.

Os soldados romanos, normalmente, estavam acostumados a estarem do lado de fora das muralhas, na posição de atacantes,  tentando ultrapassá-las para conquistar uma cidade inimiga cercada: uma das mais importantes condecorações militares romanas era a “corona muralis” – uma coroa de ouro com o formato de um muro que era concedida ao primeiro soldado romano que conseguisse galgar uma muralha.

Impérios em expansão geralmente não necessitam e não dão importância a muralhas. De fato, após a “pax romana”, quando Roma dominou todo o Mediterrâneo e não tinha inimigos à altura, as cidades romanas passaram a negligenciar o reparo e a construção de muralhas, chegando muitas a desmoronarem ou terem o seu perímetro ultrapassado pela expansão urbana, sem que novas fossem edificadas.

Por outro lado, no plano externo, após a derrota das legiões de Varo, na Germânia, que significou o abandono do projeto de incorporação daquele território e de expansão romana além do Reno, houve a necessidade de se estabelecer uma linha de fortificações, torres de vigilânciae paliçadas para prevenir incursões dos bárbaros germânicos, o “limes germanicus”, que, porém, não chegou a ser uma muralha em termos clássicos.

Depois de invadirem a Grã-Bretanha, os romanos perceberam que os custos econômicos e militares de uma expansão até ao norte da ilha também não se justificavam, face a resistência das tribos dos Pictos e Escotos, antepassados dos escoceses. O imperador romano Adriano, que era avesso à política expansionista de seu antecessor Trajano, construiu a primeira muralha fronteiriça contínua de Roma, a chamada “Muralha de Adriano”, no século II D.C.

 

Milecastle_39_on_Hadrian's_Wall.jpg

Porém, mais do que uma estrutura defensiva, a Muralha de Adriano era uma declaração política e uma exibição de poder. Com efeito, além de significar que a expansão romana terminava ali naquele lugar,  pela vontade do imperador, ela servia também como propaganda da divisão do mundo entre civilização e barbárie: de fato, estudos mostram que a muralha era coberta de argamassa caiada de branco, para parecer mais vistosa e impressionante para os bárbaros do outro lado.

Para muitos estudiosos militares, muralhas, entretanto, são uma declaração de fraqueza: nações poderosas não precisam de muralhas, pois seus exércitos são poderosos e temidos o suficiente para intimidar e derrotar os seus vizinhos, invadindo o território inimigo quando for necessário.

Quando o Império Romano passou a ser alvo frequente das invasões germânicas, em meados do século III D.C, as muralhas voltaram à moda: Por todo o Império, as cidades começaram a reparar os seus muros ou a construir novas muralhas.

A própria Roma não escapou. Após a invasão dos Vândalos, que saquearam a cidade de Placência, no norte da Itália, o imperador Aureliano ordenou a construção das impressionantes muralhas que levam o seu nome, com 19 km de extensão, construídas entre 271 e 275 D.C.

1280px-Celio_-_le_mura_tra_porta_san_Sebastiano_e_porta_Ardeatina_1974

Reforça a tese dos especialistas antipáticos à estratégia militar baseada em muralhas, o fato de que, durante toda a existência das suas muralhas anteriores, ditas Servianas, a cidade de Roma passou 800 anos sem ser invadida por inimigos estrangeiros. Contudo, apenas 140 anos após a construção das Muralhas Aurelianas, Roma foi invadida e saqueada pelos Godos, em 410 D.C.  E, apenas 45 anos depois disso, a Cidade Eterna seria saqueada, ainda mais brutalmente, pelos Vândalos, 455 D.C.

Por outro lado, agora como um caso de sucesso de uma muralha, a nova capital do Império, Constantinopla, que, em 405 D.C recebeu as formidáveis Muralhas Teodosianas, resistiu por mais de mil anos ao cerco dos mais variados inimigos, somente vindo a cair em 1453 D.C, quando os Turcos empregaram os mais poderosos canhões da época.

Walls_of_Constantinople.JPG

Enquanto isso, no moribundo Império do Ocidente, começava uma tendência que se acentuaria na Idade Média:  a população civil circunvizinha , para se proteger, se mudou para quartéis militares fortificados (castra),  para pequenos fortes militares (castellum) ou para pequenos povoados situados em colinas e morros (oppidae). Com a Queda do Império, essas posições fortificadas, agora ocupadas principalmente pelos nobres germânicos vitoriosos, passaram a ser a controlar as terras e a população rural vizinhas, dando origem aos onipresentes castelos que dominaram a paisagem européia medieval.

No século XX, entretanto, o conceito de estratégia militar baseada em muralhas recebeu dois grandes baques: a) a humilhante inutilidade da “Linha Maginot”, contornada com facilidade pelo exército alemão na 2º Guerra Mundial; e b) a queda do “Muro de Berlim”, abatida a golpes de picareta pelos próprios cidadãos da Alemanha Oriental.

E você, leitor, o que acha das muralhas?

18 DE JANEIRO (XV Kalendae Februariae)

 

Roman-calendar.png

 

No dia 18 de janeiro, ou, na forma do calendário romano, o 15º dia antes das Calendas de Fevereiro (os romanos contavam os dias do calendário para trás, a partir de três pontos fixos do mês: as Nonas – que variavam entre os dias 5 e 7 de cada mês, os Idos – que variavam entre o dia 13 e o dia 15 de cada mês, e as Calendas, sempre o 1º dia de cada mês), ocorreram alguns eventos significativos na História de Roma:

 

1- O assassinato de Publius Clodius Pulcher (Clódio), um importante senador de ilustre família patrícia, que, no entanto, abraçou uma plataforma política demagógica , conseguindo se eleger Tribuno da Plebe, cargo no qual adotou medidas populares como a instituição da distribuição gratuita de trigo para a Plebe.

No entanto, o episódio mais célebre da vida de Clódio foi o famoso escândalo da Festa da Bona Dea, evento exclusivo para mulheres que, no ano de 62 A.C., foi celebrado na casa de Júlio César, então Pontífice Máximo. Clódio, que tinha fama de homem lascivo, conseguiu penetrar na festa disfarçado de mulher, com o intento de seduzir a esposa de César e anfitriã, Pompéia, mas foi descoberto pela mãe de César,  Aurélia Cotta, e teve que responder a um processo criminal movido pelo seu grande adversário, Cícero.

 

Chief_Vestal

César, por motivos políticos, ficou do lado de Clódio e acabou se divorciando de Pompéia, e no escândalo surgiu a famoso ditado sobre “a mulher de César”, de quem se esperava que “não apenas fosse honesta, mas parecesse honesta”…

Como Tribuno da Plebe, Clódio tentou se vingar de Cícero aprovando uma lei que bania aqueles que tivessem mandado executar um cidadão romano sem julgamento, já que, durante a Conspiração de Catilina, Cícero, como Cônsul, havia decretado a execução dos conspiradores em uma sessão do Senado,  sem direito a defesa, por razões de segurança nacional.

Clódio foi um dos mais ativos políticos do final da República na prática de se valer da violência e intimidação de grupos armados de clientes, escravos e  dos membros dos mistos de associações de bairro e de trabalhadores (collegia) que eram cortejados pelos candidatos romanos para ajudá-los a ganharem as eleições.

Nas eleições de 53 A.C., bandos armados ligado a Clódio por diversas vezes entraram em conflito contra outros bandos controlados por um político rival, Milo.

No dia 18 de janeiro de 52 A.C., nos arredores de Roma, Clódio e sua esposa viajavam escoltados  por 30 escravos quando deram de encontro ao bando de Milo, que incluía gladiadores. Houve um conflito e Clódio foi atingido por um dardo, sendo levado para uma estalagem próxima. Os gladiadores de Milo descobriram o esconderijo e executaram Clódio.

No funeral de Clódio, a pira fúnebre foi instalada na frente da Cúria Hostília, a sede do Senado, no Fórum Romano,  e novos tumultos acabaram acarretando o incêndio do edifício, que posteriormente foi restaurado por Júlio César e, depois de sucessivas restaurações, inclusive pelo imperador Diocleciano, sobreviveu até nossos dias.

 

Curia_Iulia_front

 

2- Morre o Imperador Romano do Oriente, Leão I, o Trácio, em 18 de janeiro de 474 D.C.

Leo I Louvre Ma1012 n2 by Marie-Lan Nguyen

3- Em 18 de janeiro de 350 D.C., as unidades de elite da Guarda Imperial dos Herculanos e dos Jovianos revoltam-se contra o imperador Constante e aclamam como novo Imperador Romano do Ocidente o seu comandante Flavius Magnus Magnentius (Magnêncio), um nativo de Samarobriva (atual Amiens, na França). A aclamação ocorreu em um festejo de aniversário promovido pelo Conde das Riquezas Sagradas (cargo parecido com o de Ministro da Fazenda) Marcelino, celebrado em Autun, na Gália.

Devido à insurreição, o Imperador Constante, que era um dos filhos de Constantino I, o Grande, teve que fugir acompanhado de uns poucos seguidores e acabou sendo morto próximo aos Pirineus.

As províncias romanas da Britânia, da Gália e da Hispânia inicialmente apoiaram a aclamação de Magnêncio e ele até cunhou moedas que, pela primeira vez na História de Roma, ostentavam símbolos cristãos.

Double_Centenionalis_Magnentius-XR-s4017

(Moeda de Magnêncio, foto de Classical Numismatic Group, Inc)

Entretanto, como era de se esperar,  Constâncio II, o Imperador Romano do Oriente e irmão do finado imperador deposto por Magnêncio, não aceitou a aclamação deste,considerando-o um mero usurpador.

Magnêncio então foi forçado a avançar em direção a Ilíria para tentar consolidar sua posição estratégica, mas foi derrotado por Constâncio II na Batalha de Mursa, em 28 de setembro de 351 D.C., o que o forçou a recuar para a Itália,  que, no entanto, aderiu ao Imperador do Oriente, levando-o a uma nova retirada para a Gália, perseguido pelo exército leal à Constãncio II.

Finalmente, na Batalha de Mons Seleucus, em meados de 353 D.C., Magnêncio foi decisivamente derrotado pelas tropas de Constâncio II, fugindo para Lugdunum (atual Lyon), onde, em 11 de agosto de 353 D.C., ele cometeu suicídio à honrada maneira dos antigos soldados romanos, caindo sobre a própria espada.

 

 

LEÃO I – A ÚLTIMA CARTADA NO OCIDENTE

Leo I Louvre Ma1012 n2 by Marie-Lan Nguyen

(Busto do imperador Leão I, foto de Marie-Lan Nguyen)

 

Em 18 de janeiro de 474 D.C, falece, em Constantinopla, o Imperador Romano do Oriente, Leão I, após uma crise de uma doença cujos sintomas assemelhavam-se à disenteria.

De origem Trácia e nascido em 401 D.C, nesta província, ou, segundo outras fontes, na Diocese da Dácia Aureliana (compreendendo partes das atuais Bulgária e Sérvia), Leo Marcellus foi um militar que ascendeu até o posto de Tribuno dos Mattiari (regimento do exército romano cujos soldados eram especializados no uso da “mattea”, ou seja, maça), cargo em que ficou diretamente subordinado à Áspar, comandante em chefe do Exército Romano do Oriente e homem forte do Império.

Áspar era um prestigiado general de etnia alana que chefiava as tropas germânicas que, naquele momento, constituíam o esteio do exército oriental (cujo efetivo tradicionalmente romano havia sido virtualmente eliminado entre 363 e 378 D.C, na Pérsia e em Adrianópolis). Devido a isso, Áspar  havia sido o “padrinho” do então Imperador Romano do Oriente, Marciano, coroado em 450 D.C.

Marciano era também um soldado que progrediu sob o comando do generalíssimo Áspar e seu reinado caracterizou-se pelo fim do pagamento do subsídio anual aos Hunos de Átila, que, percebendo que Constantinopla era inexpugnável, se voltou contra o Império Romano do Ocidente, por reformas econômicas e pelo Concílio de Calcedônia, que tratou da ortodoxia cristã.

Marciano morreu subitamente em 27 de janeiro de 457 D.C., após uma crise de gangrena. Áspar precisava por um substituto no trono e pensou que a melhor alternativa era repetir a fórmula que adotara com Marciano: colocar no trono um subordinado de sua confiança.

Assim, em 07 de fevereiro de 457 D.C.,  Leo Marcellus (Leão) foi coroado imperador do Império Romano do Oriente, em Constantinopla.

Segundo as fontes, Leão I foi o primeiro imperador romano cuja coroação teve a participação do Patriarca de Constantinopla, ritual que depois se tornaria costumeiro na Europa Medieval.

Áspar pensava que Leão seria mais um imperador-fantoche, porém Leão tinha outros planos para o seu reinado… Paulatinamente, ele foi firmando a sua autoridade e, engenhosamente, aproximou-se de alguns militares de origem isáuria, inclusive o chefe isáurio Tarasicodissa, ou Tarasis Kodisa, que depois mudaria o seu nome para Zenão (ou Zeno).

Em 461 D.C, Leão recrutou os Isáurios para servirem na sua recém-formada Guarda Imperial, chamada de “Excubitores“, expressão que significava, os “Sentinelas” (literalmente, “os do lado de fora da cama”). Posteriormente, nos séculos VI e VII, valendo-se dos Excubitores, vários imperadores seriam elevados ao trono, e muitos Comes Excubitorii (Condes dos Excubitores) se tornariam imperadores bizantinos, tais como: Justino I, pai do grande imperador Justiniano I, Tibério II e Maurício.

Byzantine 6th century

(possível traje de um excubitor oriundo da Isáuria)

Os Isáurios eram um povo montanhês de índole guerreira que habitava a Província romana da Cilícia, na Ásia Menor (dentro do território da atual Turquia). Apesar da regiao ter sido conquistada pelos romanos no século I D.C, os Isáurios nunca chegaram a ser totalmente subjugados. Ao longo dos séculos, eles foram apenas parcialmente romanizados, mas adotaram o cristianismo ortodoxo (Niceno), fato que, naquele final do século V, fazia-lhes parecer mais aceitáveis para os cidadãos de Constantinopla do que os godos ou alanos (que professavam a heresia ariana), muito embora os Isaúrios ainda fossem considerados bárbaros por muitos romanos.

Em 466 D.C, Tarasis Kodisa (Zenão), oficial Isáurio dos Excubitores, acusou o filho do general Áspar de traição, o que azedou as relações entre este e o Imperador.

Leão I, em 467 D.C, recompensou Tarasis Kodisa dando-lhe em casamento a sua filha Ariadne, e também reforçando a aliança com o militar isáurio, que mudou seu nome Natal para o grego Zenão. Antes que o casamento completasse um ano, Ariadne deu a luz ao filho de Zenão, que recebeu o nome do avô, Leão. Zenão também foi nomeado para o importante posto de Magister Militum per Thracias.

Ao contrário de seu antecessor Marciano, Leão I demonstrou bastante interesse nos assuntos do Império Romano do Ocidente. Ele por duas vezes interveio na sucessão do trono ocidental, nomeando para ser imperador do Ocidente, em 467 D.C, Antêmio, que ocupara importantes cargos administrativos e militares e era membro de uma influente família da nobreza de Constantinopla, parente distante do próprio Constantino, o Grande, Mais tarde, em 473 D.C , Leão nomeou Júlio Nepos, Imperador do Ocidente.

Roman_Empire_460_AD

A primeira cartada de Leão I na sucessão ocidental, nomeando Antêmio foi brilhante.

O trono ficara vago com a morte de Líbio Severo, em 465 D.C, que foi mais um dos imperadores-fantoches que o general de origem Goda e Sueva, Ricimer, que mandava no Ocidente desde 456 D.C, tinha colocado no trono imperial , já que sua origem bárbara o impedia de assumir a coroa ele mesmo.

Leão nomeou Antêmio Imperador do Ocidente. Ele era, um experiente homem público de origem tão ilustre (seus antepassados eram parentes de Constantino, fundador do Império Romano do Oriente) que chegou até ser considerado um candidato potencial ao trono. Leão, assim, astutamente, enviou-o para a Itália, com um exército, para fazer valer os interesses de Constantinopla no Ocidente. Antêmio foi proclamado Imperador em 12 de abril de 467 D.C.

Com isso, Leão impediu que Geiserico, rei dos Vândalos, colocasse no trono ocidental o seu próprio fantoche, Olíbrio, valendo lembrar que os Vândalos haviam invadido e conquistado a rica província da África, em 439 D.C, e, partindo dessa base, saqueado Roma, em 455 D.C. No ano anterior, o último general capaz do Ocidente, Aécio, que passaria à História como “O Último dos Romanos”, fora assassinado, esfaqueado pessoalmente pelo Imperador Valentiniano III.

Aécio habilmente conseguira reunir um pequeno exército romano coligado com contingentes bárbaros “federados” (foederati), notadamente visigodos, francos, saxões e alanos. Porém, essa aliança baseava-se no prestigio de Aécio. Morto o Generalíssimo, as tropas e os aliados sumiram. Por isso, consta que um membro da corte, ao saber do assassinato de Aécio, teria dito a Valentiniano III: “Vossa Majestade cortou sua mão direita com a esquerda”…

Em 455 D.C, dois soldados bárbaros leais à Aécio vingaram a sua morte e assassinaram Valentiniano III. O vândalo Geiserico agora era o monarca mais poderoso do Ocidente e aproveitou a oportunidade para saquar Roma, sem qualquer oposição militar. Ele levou para Cartago quase tudo que havia de valor na Cidade Eterna, incluindo o candelabro de sete braços do Templo de Jerusalém, que havia sido capturado por Tito e, não menos importante, a viúva e as duas filhas de Valentiniano III, aproveitando-se para, alguns anos depois, casar seu filho, Hunerico, com Eudocia, a mais velha.

Os Vândalos agora eram a principal ameaça ao Império do Ocidente. Desde 439 D.C, eles controlavam a melhor parte da África, que havia se tornado a principal fornecedora de cereais para Roma (o Egito fazia parte do Império do Oriente) e, partindo de Cartago,invadido à Sicília, chegando até mesmo a atacar cidades na Grécia, domínios do trono oriental.

A perda da África fora um duro golpe sofrido pelo Império Romano do Ocidente. Os impostos africanos, seja em moeda ou em produtos agrícolas, constituíam grande parte da receita ocidental e a capacidade de Ravenna pagar os seus soldados foi drasticamente reduzida. Como o Exército Ocidental, naquele momento, era praticamente composto por tribos germânicas à serviço do Império, além das desmoralizadas e maltratadas guarnições de tropas fronteiriças (limitanei), o fato é que, sem dinheiro, O Império do Ocidente não tinha muito a oferecer às tropas, fossem elas romanas ou bárbaras, a não ser, para estas últimas, a sua condição de presa fácil para saques e pilhagens.

Quem dava as cartas no Ocidente era Ricímer. Quando o seu imperador-fantoche Líbio Severo morreu, Ricímer, acossado pela real possibilidade de Geiserico colocar a sua própria marionete, Olíbrio, no trono, foi obrigado a referir a sucessão ao legítimo Imperador do Oriente, Leão, que nomeou Antêmio. Para selar a aliança, Antêmio deu a Ricimer a mão da própria filha, Alípia, em casamento.

Para que qualquer arranjo no Ocidente desse certo, no entanto, era necessário eliminar a ameaça vândala.

Leão planejou uma gigantesca operação militar combinada visando a esmagar os Vândalos para sempre: 1.113 navios zarpariam de Constantinopla, transportando forças estimadas em 100 mil homens (há controvérsias sobre esse número), sob o comando de seu cunhado Basilisco, para atacar diretamente Cartago. Concomitantemente, o general Heráclio deveria zarpar do Egito com direção à Tripolitana, e dali, marchar por terra contra Cartago. Enquanto isso, o general Marcellinus atacaria a Sicília e, após derrotar os invasores Vândalos lá instalados, rumaria também para Cartago.

A operação tinha começado bem, pois Heráclio conseguiu desembarcar em Tripolitana e Marcellinus dominou os Vândalos na Sicília. Porém, o grande erro de Leão foi ter escolhido o seu incompetente cunhado Basilisco, irmão da Imperatriz Verina, como comandante da principal ponta do ataque. Basilisco após conseguir dispersar a frota vândala na Sicília, facilmente fundeou na Baía de Cartago, mas, ao invés de imediatamente atacar Geiserico, inexplicavelmente, ele aceitou um pedido de trégua de 5 dias pedido pelo rei bárbaro. Geiserico aproveitou o refresco para construir novos barcos e balsas incendiárias, Como normalmente a sorte não ajuda a incompetência, no final da trégua, fortes ventos lançaram as balsas vândalas em chamas contra a frota romana e metade dela foi incendiada. Basilisco teve que fugir com os remanescentes para a Sicília, visando se juntar a Marcellinus. Este porém, foi assassinado, suspeita-se, a mando de Ricimer. Heráclio, quando soube da derrota em Cartago, resolveu recuar de volta para o Egito. Foi esse o final desastroso da campanha que poderia ter salvo o Império do Ocidente.

fire-ships-300x198

O custo para o Tesouro do Império do Oriente foi imenso: toda a reserva de 100 mil libras de ouro foi gasta no custeio da expedição. Para resumir, Constantinopla agora estava quebrada.

Logo se seguiu um motim das tropas estacionadas na Trácia que quase conseguiram matar o seu comandante Zenão. As suspeitas da instigação da revolta recaíram sobre Áspar. Os Vândalos também aproveitaram a sua vitória e resolveram atacar diversas cidades costeiras na Grécia, devastando-as.

Zenão, porém, conseguiu sobreviver e quando voltou, teve a alegria de conhecer o filho que Ariadne lhe havia dado. A criança recebeu o nome do avô, Leão, que, agradecido, nomeou Zenão como Cônsul para o ano de 469 D.C., além de ser nomeado “Magister Militum per Orientem

Áspar sentindo a sua posição cada vez mais ameaçada, tentou recompor sua posição persuadindo Leão a nomear seu filho mais novo, Patrício, como “César” (título que na época do Baixo Império correspondia ao de príncipe-herdeiro) e a casá-lo com a outra filha do Imperador, Leôncia. Porém o clero e a população de Constantinopla se opuseram veementemente às pretensões de Áspar (promovendo um tumulto no Hipódromo), tendo em vista que ele e o filho eram cristãos arianos. Áspar, inclusive, teve que prometer que se converteria ao credo niceno, antes que o casamento fosse realizado.

Contudo, após a nomeação de Patrício, mas antes do casamento, Leão I e Zenão armaram uma cilada e conseguiram, em 471 d.C., assassinar Áspar e seu filho nais velho, Ardabur, no interior do Palácio Imperial. Algumas fontes contam que Patrício também foi morto, e outras que ele foi ferido, mas conseguiu sobreviver. Os soldados godos estacionados em Constantinopla tentaram vingar a morte do chefe atacando o Palácio, mas foram derrotados pelos Excubitores.

Com a morte de Áspar, o Império do Oriente diminuiu bastante a sua dependência dos chefes militares de origem germânica, que logo deixaram de ter ingerência nos assuntos internos imperiais, muito embora os Godos continuassem ocupando partes da Trácia e da Macedônia, agora governados pelo seu recém-eleito rei, Teodorico. Leão concordou também em pagar cerca de 1000 quilos de ouro aos bárbaros. Porém, um grupo de Ostrogodos, que não eram governados por Teodorico, resolveu atacar o Império do Oriente, saqueando a Dácia e a Macedônia.

Governando um estado falido pelo custo assombroso da expedição contra os Vândalos, Leão foi obrigado a espremer os já exaustos contribuintes romanos até o talo para conseguir administrar o Império.

Leão I faleceu em 18 de janeiro de 474 D.C, aparentemente de disenteria, aos 73 anos de idade, sendo sucedido, por um breve período, pelo seu neto, Leão II, de apenas 7 anos. O menino, porém, morreria, morreria em 17 de novembro daquele mesmo ano, de uma doença desconhecida, dando combustível a rumores de que teria sido envenenado para que fosse sucedido por seu poderoso pai, Zenão.

O reinado de Leão acabou sendo marcado pelo desastre da expedição africana. Podemos, é certo, culpar o imperador pela escolha de seu incompetente cunhado como comandante. Mas devemos observar que, frente a seus colegas imperiais do século V, Leão merece reconhecimento por ter tomado uma iniciativa muito ousada que, se tivesse sido bem sucedida, teria uma boa probabilidade de permitir a existência de um Império Romano do Ocidente viável, compreendendo a Itália, o sul da Gália e a África, o que teria mudado a História Mundial. Nesse caso, sem dúvida, o nome de Leão deveria ser incluído entre os grandes imperadores romanos.

Devemos também dar crédito à sua iniciativa de criar os Excubitores e afastar os soldados germânicos de Constantinopla, o que contribuiu para a sobrevivência e posterior grandeza do Império Romano do Oriente, ou Bizantino.

TEODÓSIO – A IGREJA NO PODER

Em 17 de janeiro de 395 D.C, apenas 4 meses após se tornar o último Imperador a reinar sobre as duas metades, Ocidental e Oriental, do Império Romano, falece, em Milão, Teodósio, cognominado de “o Grande”.

Antes de morrer, Teodósio tomara as medidas necessárias para que seus filhos Honório e Arcádio se tornassem, respectivamente, após a sua morte, os Imperadores Romanos do Ocidente e do Oriente.

Nascido em 11 de janeiro de 346 D.C, em Cauca (Coca), a 50 km da atual cidade de Segóvia, na província romana da Hispânia, Flavius Theodosius (Teodósio), era o filho de seu pai homônimo, Flavius Theodosius (Conde Teodósio), “o Velho”, e de Flavia Thermantia (Termântia).

O pai de Teodósio, chamado de Teodósio, “O Velho”, pelos historiadores, para distingui-lo do filho que viria a se tornar imperador, foi um renomado general, também nascido na Hispânia, que teve uma brilhante carreira durante o reinado do imperador Valentiniano I, sendo, em 368 D.C , designado para ocupar o cargo de Conde (Comes*) da Britânia, onde, acompanhado do filho, derrotou uma insurreição promovida por tropas romanas amotinadas aliadas a tribos bárbaras.

Posteriormente, Teodósio, “o Velho” foi promovido ao importantíssimo posto de Comandante-em-chefe de Cavalaria do Exército Romano (Magister Equitum*) e, novamente acompanhado do filho Teodósio, teve decisiva atuação na campanha contra os bárbaros Alamanos.

Em 373 D.C, o jovem Teodósio já tinha prestígio próprio bastante para ser apontado por Valentiniano I como governador da Moésia superior e Duque (Dux*), ou seja, comandante militar daquela província, onde combateu com sucesso os Sármatas.

Enquanto isso, seu pai era enviado à província da Mauritânia, na África, para combater a rebelião de Firmus Mouro, um nobre berbere que ocupava um comando militar no exército romano naquela província. Após uma duríssima campanha, Teodósio, “o Velho”, conseguiu derrotar a insurreição e Firmus cometeu suicídio.

Em 375 D.C, Valentiniano I, o último imperador romano que efetivamente comandou um exército poderoso, faleceu após mais um dos seus temidos ataques de fúria, nesse caso causada pelo comportamento insolente de embaixadores da tribo dos Quados. que lhe causou um derrame em plena audiência.

Não se sabe exatamente o motivo, mas, logo após a morte de Valentiniano I, o pai de Teodósio foi preso, quando ainda estava em Cartago, e ali mesmo executado. Muito provavelmente essa morte está ligada à crise causada pela inesperada sucessão do imperador falecido, quando alguns generais do exército romano, notadamente o general de origem franca Merobaudes aclamaram como imperador Valentiniano II, com apenas 4 anos de idade, forçando Graciano, o filho mais velho de Valentiniano I, então com 16 anos de idade, a aceitar o irmão como co-imperador do Ocidente (Assim, inaugurando a tendência que dominaria as últimas décadas do império romano, a escolha de imperadores fantoches por comandantes militares de origem bárbara).

Essa solução acabou sendo aceita também por Valente, irmão de Valentiniano I, que, desde 364 D.C., reinava sobre a metade oriental do Império, em Constantinopla. Desse modo, é bem possível que o Conde Teodósio tenha sido executado por ter sido contra aquela manobra, ou, ainda, por ser percebido como um obstáculo ao projeto de Merobaudes.

Teodósio, por sua vez, no mesmo ano em que ocorreu a morte do pai, foi destituído de seu comando e voltou para as terras de sua família, na atual Galícia, dedicando-se aos seus assuntos privados. Discute-se se esse “exílio” de Teodósio foi devido à desgraça do pai ou se foi por causa da derrota de duas legiões que ele comandava para os Sármatas, em 374 D.C. Nesse caso, isso teria sido uma punição infligida ainda em vida por Valentiniano I, que, notoriamente, não tolerava as derrotas de seus generais,  a quem ele frequentemente responsabilizava pelos erros de seus subordinados.

Todavia, em 378 D.C, uma das maiores catástrofes militares sofridas pelos romanos, e talvez a que tenha acarretado as piores consequências, mudaria para sempre a sorte de Teodósio.

Cerca de 200 mil Godos, após cruzarem a fronteira romana do rio Danúbio, procurando asilo motivado pela sucessão de migrações causadas pelo avanço das tribos hunas em direção ao Ocidente, acabaram se revoltando, invadindo a província romana da Trácia.. O efetivo militar dos Godos é calculado entre 20 e 30 mil homens.

Ao saber da invasão, Valente, o Imperador Romano do Oriente, comandando todo o seu exército e sem esperar pelo auxílio das tropas de seu sobrinho Graciano, Império Romano do Ocidente, resolve atacar sozinho os bárbaros, que, liderados pelo Chefe Fritigern, se encontram entrincheirados próximos à cidade de Adrianópolis, em uma boa posição defensiva, protegidos por um círculo de carroções parecidos com os dos pioneiros do Velho Oeste americano (formação conhecida como “laager“), sem se dar conta de que a cavalaria Goda estava ao largo. Antes que a noite do dia 09 de agosto de 378 D.C. terminasse, dois terços do exército romano, cerca de 40 mil soldados, morreram na chamada Batalha de Adrianópolis, incluindo o imperador Valente, cujo corpo jamais foi encontrado em meio à montanha de cadáveres, vários generais e centenas de oficiais.

(Foto 1: Moeda Solidus de Valente; Foto 2: Círculo defensivo de carroções)

A morte de Valente automaticamente tornaria seu sobrinho Graciano, o Imperador Romano do Ocidente (lembrando que a Itália, da África e de parte da Ilíria, eram formalmente governadas pelo seu irmão Valentiniano II, de apenas 7 anos de idade) o governante também do Oriente.

Com os Godos à vontade para se locomoverem nos Bálcãs ( o que ameaçava a própria Itália), sem opções militares, tendo em vista que mal acabara de concluir uma campanha contra os Alamanos, poucos meses antes do desastre de Adrianópolis, e não havendo mais generais experientes no Oriente, Graciano resolve chamar Teodósio de seu retiro na Espanha e, em raro gesto de desprendimento somado à necessidade, o nomeia Augusto, em 19 de janeiro de 379 D.C, entregando-lhe o trono da metade oriental do Império Romano.

Obviamente que o primeiro problema que o novo Imperador Romano do Oriente teve que enfrentar foi a ameça dos Godos, que pilhavam à vontade a Trácia e a Ilíria, somente sendo incapazes de sitiar com sucesso cidades protegidas por boas muralhas, por falta do “hardware” e do “know-how” necessários para esta difícil tarefa.

Para isso, ele precisava de tropas e ele tentou formar um exército, convocando veteranos e até trazendo unidades do Egito. Segundo o historiador pagão Zózimo, Teodósio também recrutou amplamente guerreiros bárbaros, observando que as tropas do Egito acabaram tendo a disciplna severamente enfraquecida pelo convívio com os indisciplinados germanos.

Neste ponto, deve ser observado que o Exército Romano do Oriente sofrera duas grandes derrotas no espaço de quinze anos. Em 363 D.C, a invasão da Pérsia pelo Imperador Juliano resultara em uma grave derrota, com o imperador sendo ferido no campo de batalha e morrendo em sua tenda. E agora, pouco antes da ascensão de Teodósio, dois terços do exécito tinham sido aniquilados em Adrianopla.

O problema do recrutamento sempre foi recorrente durante o Império Romano. A Itália, esteio principal do Exército durante a República, ao longo do Império cessou de contar como fornecedora de tropas. Seus cidadãos tinham ficado durante muito tempo praticamente isentos do serviço militar. De fato, depois que Augusto estabelecera as 28 legiões em quartéis na fronteira, os legionários passaram a ser recrutados entre colonos de cidadania romana estabelecidos nos locais onde as legiões estavam baseadas. Já os auxiliares eram recrutados entre os povos vizinhos que tinham vocação guerreira e adquiriam a cidadania romana após 20 anos de serviço. A vida de soldado era dura e não era para qualquer um. Citadinos amolecidos pelos confortos da vida urbana dificilmente seriam aptos para uma vida de longas marchas em terreno difícil, dormir em barracas precárias em lugares inóspitos e combates cada vez mais sangrentos.

Os romanos, sempre, ainda durante a República, recrutaram contingentes de origem estrangeira para o seu exército. Unidades de cavalaria germânica, por exemplo, foram empregadas por César e Augusto. Porém, o normal era empregar as unidades estrangeiras subordinadas a uma legião, sob o comando de um general romano e submetidas à disciplina militar romana.

As evidências apontam que, a partir de Constantino, uma boa parte dos soldados do Exército Romano era de origem germânica, sobretudo no Ocidente. A “germanização” do Exército é um fato atestado. O próprio Constantino foi aclamado imperador pelas suas tropas e erguido em cima de um escudo, um tradicional costume germânico de saudar um novo chefe. No século IV D.C, registrou-se que os soldados romanos utilizavam o tradicional grito de batalha dos bárbaros, o “baritus”. E o nome de vários generais e soldados mencionados nos textos denota clara origem germânica.

 

late roman soldier hero_28cde49e-dc31-4266-abed-0bb5761fd72c


(soldados romanos do início do século IV D.C)

A partir da metade do século III, Roma passou a enfrentar o desafio estratégico de lutar em dois fronts: 1) A constante investida dos povos germânicos situados na fronteira do Reno e Danúbio começou a aumentar devido a pressão gerada pelas migrações de povos vindos da Escandinávia e do Leste Europeu, deslocadas pelo avanço dos Hunos para o Ocidente a partir da fronteira com a China; 2) A subida ao poder dos nacionalistas Sassânidas na Pérsia que adotaram uma política de confronto militar para conter a influência romana na Armênia e no Oriente Médio, resultando em um estado de guerra constante do século III ao século VII.

Feita essa explanação da situação estratégica de Roma e da situação do Exército Romano antes da derrota de Adrianópolis, é sintomático que uma das medidas tomadas por Teodósio, a qual demonstra a magnitude que o problema do recrutamento de tropas representava para o Império Romano naqueles tempos e o estado desesperador do setor militar romano, tenha sido reformar um Decreto de Valentiniano I determinando que aqueles que tentassem fugir do recrutamento cortando os próprios polegares seriam queimados vivos – Teodósio mudou o Decreto para prever que para cada recruta que se apresentasse sem um dos polegares, outro recruta, da mesma circunscrição, deveria ser apresentado, ou seja, o recruta amputado teria que servir e o seu vilarejo ainda teria que mandar outro!

Não obstante esse quadro, o historiador Zózimo narra que Teodósio começou o seu reino demonstrando indolência e luxo, aumentando o número de funcionários-eunucos e aumentando os gastos com a manutenção da corte. Parece que o julgamento do cristão devoto Teodósio pelo pagão Zózimo seria de uma suspeita severidade, mas certamente a gravidade dos tempos pedia um líder da estatura de um Cipiáo , de um César ou Diocleciano, este último um reformador implacável que enfrentou uma situação parecida com a de Teodósio.

MissoriumTeodosioMNAR

(Prato de prata, dito Missorium de Teodósio, que está representado no centro.)

De qualquer forma, parece que a tentativa de Teodósio de reforçar o exército romano oriental não teve sucesso. As fontes não são claras, mas tudo indica que, no verão de 380 D.C, o novo exército de Teodósio foi derrotado pelos Godos, na Macedônia e na Tessália, ainda que não de forma catastrófica. Teodósio teve que deixar a cidade de Tessalônica, que fora seu quartel-general durante os dois primeiros anos à testa do governo do Oriente e se refugiar na inexpugnável Constantinopla.

A tarefa de conter os Godos nos Bálcãs ficou a cargo do Imperador do Ocidente, Graciano, qua mandou um exército comandado pelos generais Bauto e Arbogaste,ambos francos que serviam o Império.

Os Godos se dividiram em vários bandos. Um dos principais grupos, chamado de Ostrogodos, rumou para o oeste e invadiu a Panônia, No outro grupo importante, conhecido como Visigodos, estourou uma guerra entre o chefes Fritigern e o antigo rei, Atanarico, que foi se abrigar em Constantinopla, onde, em 381 D.C., foi recebido com surpreendentes honras por Teodósio.

Em 3 de outubro de 382 D. C, Teodósio firmaria um polêmico Tratado de Paz com os Godos, um inédito acordo que teria consequências duradouras: os Visigodos seriam recebidos dentro do Império Romano como aliados (foederati), recebendo a autorização para se instalarem na Moésia, diocese setentrional da Trácia, continuando a serem governados pelos seus chefes e somente com a obrigação de lutarem quando convocados pelo Imperador, porém como um exército independente. Os visigodos também receberiam tributos em forma de provisões a serem pagas pelos súditos romanos da Mésia e seus chefes um pagamento anual em ouro.

Talvez tenha parecido, a muitos contemporâneos, que uma composição com os Godos era uma medida razoável. Um orador do período, Themistius, louvando Teodósio, até escreveu, esperançosa ou aduladoramente, que os Godos trocariam a espada pelo arado e, romanizados, revitalizariam aquela província. A posteridade, porém, reconheceria que aquele ato de Teodósio foi desastroso. O assentamento permanente dos visigodos dentro do Império seria um fator decisivo de enfraquecimento romano Em 410 D.C, o Império seria abalado pelo saque de Roma pelos visigodos, e eles ainda pilhariam a Gália, até se instalarem na Hispânia, onde criariam um reino independente que duraria até a invasão árabe no início do século VIII D.C.

Enquanto isso, em 25 de agosto de 383 D.C, morreu Graciano, o colega de Teodósio no Ocidente, assassinado em Lyon, para onde teve que fugir após não conseguir debelar a revolta do general da Britânia, Magnus Maximus, um militar também de origem espanhola que havia servido como subordinado do Conde Teodósio, pai do atual imperador e invadira a Gália para depor o imperador, supostamente pelo fato das tropas estarem insatisfeitas com a preferência que Graciano dava às tropas compostas por bárbaros alanos.

Valentiniano II, o jovem irmão de Graciano, que, por influência dos generais francos havia sido reconhecido por ele como co-imperador seria o próximo alvo de Maximus. Teodósio então, pressionado pelas circunstâncias, acabou concordando em reconhecer Maximus como novo imperador das províncias governadas por Graciano, sob o compromisso de que Maximus reconheceria Valentiniano II como co-imperador no Ocidente.

Esse arranjo durou até 387 D.C, quando Maximus resolveu invadir a Itália para derrubar Valentiniano II e assumir o controle total do Ocidente. Um dos motivos principais era a crescente influência de Teodósio nos assuntos da corte de Valentiniano II. Assim, em um momento em que a ameaça externa era enorme, mais uma vez os maltratados exércitos romanos envolveriam-se em uma nova guerra civil, pois Teodósio resolveu intervir e, após juntar suas forças com as de Valentiniano II, que recuara para Tessalônica, valendo-se de seus aliados visigodos e de mercenários hunos, conseguiu derrotar Maximus na Batalha de Siscia, no rio Sava, na atual Croácia, em 388. Maximus conseguiu fugir, mas foi capturado e executado próximo a Aquiléia, em 28 de agosto de 388 D.C.

Na prática, mas ainda não de direito, Teodósio tornou-se o virtual imperador de todo o Império Romano. Ele ficaria ainda três anos na Itália, voltando para Constantinopla em 391 D.C. Oficialmente, porém, o novo imperador único do Ocidente passara a ser Valentiniano II. Contudo, o real poder militar estava nas mãos do general de origem franca Arbogaste, na qualidade de Comandante-em-chefe da Infantaria (magister peditum praesentalis).

Theodosius_colum,_Istanbul (1)

(base do obelisco de Teodósio, no Hipódromo de Constantinopla, mostrando o Imperador presidindo uma corrida)

Em 392 D.C, após um desentendimento público com Arbogaste, Valentiniano II é encontrado enforcado em seus aposentos. As suspeitas, obviamente, recaem sobre o general franco. A esposa de Teodósio, a imperatriz Gala, irmã do falecido, não aceita a tese de suicídio e insta que o marido investigue a morte do irmão. Arbogaste não perde tempo e, incapaz de assumir ele mesmo o trono, devido a sua origem bárbara, aclama, em 22 de agosto de 392 D.C, Eugênio, um professor de retórica e ministro de Valentiniano II, como novo Imperador Romano do Ocidente.

Teodósio recusa-se a reconhecer Eugênio e prepara-se para invadir a Itália. Durante os preparativos, Teodósio nomeia, em janeiro de 393 D.C, o seu filho de 4 anos, Honório, como Augusto do Ocidente, o que inviabiliza qualquer tentativa de composição com Eugênio. Além disso, Eugênio, embora aparentemente fosse cristão, tomou medidas simpáticas aos pagãos, notadamente ao ainda muito influente grupo de senadores pagãos de Roma, inclusive financiando a restauração de templos pagãos na Cidade. Ele provavelmente tinha, portanto, o suporte de uma boa parte da aristocracia romana tradicional e, indiretamente, de todos os pagãos ainda influentes…

Em 394 D.C, Teodósio estava pronto e marchou em direção a Itália, com seu exército. A longa preparação era necessária pois, nominalmente, o exército do Ocidente era considerado maior e melhor. Ele ainda mantinha um núcleo de tropas tradicionalmente romanas, no que se refere à disciplina e táticas e não havia sofrido tantas baixas como o exército oriental, derrotado fragorosamente em 363 e 378 D.C .

Os oponentes se encontraram no rio Frigidus, no território da atual Eslovênia, em 5 de setembro de 394 D.C. Consta que imediatamente, sem qualquer reconhecimento ou preparação, Teodósio mandou os 20 mil Visigodos comandados pelo rei Alarico (que mais tarde saquearia Roma) atacarem uma posição bem defendida pelas tropas de Eugênio. Após duríssimos combates, os Visigodos foram repelidos, perdendo 10 mil homens. Muitos estudiosos acreditaram que com esse ataque, Teodósio deliberadamente visou enfraquecer os seus aliados Godos, que eram reconhecidamente a principal ameaça militar ao Império Romano.

As fontes também relatam que, antes do início da batalha, Eugênio e Arbogaste ordenaram que duas estátuas de Júpiter fossem colocadas nos flancos do seu Exército e que estandartes fossem pintados com a imagem de Hércules, dando,assim, um nítido caráter de guerra religiosa ao confronto, já que as tropas de Teodósio, incluindo os Visigodos que professavam a heresia Ariana, eram cristãs.

O fato é que no primeiro dia da batalha, o exército de Eugênio e Arbogaste levara a melhor, sendo relatado que houve comemorações no respectivo acampamento.

No dia seguinte, Teodósio, que passara a noite em claro, foi estimulado pela notícia de que um contingente que Arbogaste enviara para guardar umas passagens entre as montanhas desertara para o seu lado. Reanimado, ele decide renovar o ataque. Segundo relatos, no exato momento em que suas tropas atacavam, começou a soprar o fortíssimo vento conhecido como “Bora”, um fenômeno natural que ocorre ainda hoje na região. jogando nuvens de poeira nos olhos das tropas de Eugênio, que, impedidas de combater com eficiência, foram derrotadas. Posteriormente, o influente Ambrósio, Bispo de Milão, mencionaria que o vento decorreu da intervenção divina em favor da Cristandade.

Eugênio, capturado, é decapitado. Arbogaste consegue fugir, mas, após vagar durante dias, resolve cometer suicídio.

Teodósio tornava-se, assim, o único Augusto reinante, o último Imperador a reinar oficialmente sobre as duas metades do Império Romano. Todavia, quatro meses após, em 17 de janeiro de 395 D.C., ele morreria em Milão, de causas naturais.

Para quem olhasse de fora, apenas olhando um mapa, era um Império Romano cujas área era maior do que aquela sobre a qual Augusto reinara, 400 anos antes, e somente um pouco menor do que o de Trajano. Contudo, era um Império que tinha dentro de si um  povo inimigo inteiro,  e que dependia dessas mesmas tropas inimigas para se defender de outros inimigos que rodeavam suas fronteiras; e, tão grave quanto isso, cuja economia suportava um esforço enorme para pagar essa defesa e, não menos importante, que ainda era corroído por sangrentas disputas religiosas.

Roman_empire_395

Com efeito, em 27 de fevereiro de 380 D.C, Teodósio promulgou, em conjunto com Graciano e Valentiniano II, o Decreto de Tessalônica, declarando o Credo Niceno-Trinitário como a única religião legítima do Império e a única passível de ser considerada “católica” (universal), e determinando que todo apoio oficial às demais religiões politeístas fosse encerrado.

Cristão devoto, Teodósio permitiu que a crescente intolerância religiosa por parte do Cristianismo triunfante desaguasse na destruição de importantes templos pagãos, como o Serapeum, em Alexandria, que degeneraram em massacres. Ele também proibiu os sacrifícios pagãos e os Jogos Olímpicos . Em vários episódios, Teodósio mostrou-se submisso à forte personalidade de Santo Ambrósio, Bispo de MIlão, e, quando foi excomungado pelo referido prelado, chegou a fazer meses de penitência, fato inaudito para um imperador romano que inaugurou a tendência, frequente na Idade Média, de submissão do poder temporal ao poder eclesiástico.

AmbroseOfMilan

(Mosaico do século V, com a figura de Santo Ambrósio, que demonstrou ter ascendência moral sobre o imperador Teodósio)

Ademais, a Batalha do Rio Frígido terminaria por desmoralizar de vez o Exército Romano. Embora houvesse bárbaros lutando dos dois lados, o exército vencedor, o de Teodósio, fora quem empregara os foederati Visigodos em larga escala. E foram eles quem suportaram o maior castigo, reivindicando, a partir daí, a primazia e as recompensas das quais julgavam que o seu esforço era merecedor. O exército de Eugênio, que ainda tinha um núcleo romano tradicional, fora derrotado. A partir de então, a esperança de que o imperador poderia formar e treinar um exército composto majoritariamente de cidadãos romanos começou a desvanecer.

Por tudo isso, para muitos historiadores, Teodósio lançou o Império em um “ponto de não-retorno”, cujo resultado foi a Queda do Império Romano do Ocidente.

DE OTAVIANO A AUGUSTO

#AUGUSTO #AUGUSTUS #imperador

Em 16 de janeiro de 27 A.C, o Senado Romano conferiu a Otaviano (Gaius Julius Caesar Otavianus), sobrinho-neto e herdeiro de César e vencedor da Guerra Civil contra Marco Antônio e Cleópatra, e, portanto, o homem mais poderoso da República Romana, os títulos de Augustus (Augusto), honraria de caráter religioso que significa “O Venerável”, e Princeps (Príncipe), significando “o Primeiro Cidadão”, marcando formalmente o início do Império Romano.

 

800px-Augustus_Bevilacqua_Glyptothek_Munich_317

Ao se tornar “Princeps” e passar a ser chamado de Augusto, Otaviano já ocupava o centro da vida política romana há mais de 30 anos. Na verdade, a partir de 43 A.C. ele dividiu com Marco Antônio (e por alguns anos, com o menos expressivo Lépido, durante o chamado 2º Triunvirato) o governo da República. Com a derrota do rival, em Actium, em 31 A.C., Augusto tornou-se tão poderoso quanto seu tio-avô fora até ser assassinado em 44 A.C.

Porque então, Augusto não adotou a posição e o título de Ditador Perpétuo como César havia recebido?

Nunca saberemos quais os reais propósitos de César: se pretendia tornar-se rei de Roma, como foi acusado pelos conspiradores: se pretendia fundar um Império helenístico mundial casando-se com Cleópatra e fundando uma dinastia (o que parece muito improvável), ou se apenas pretendia ser  um ditador, porém mantendo a República,  mas reformando-a,  mas sem deixar de se retirar um dia, como o fizera Sila. Mas o certo é que o assassinato de César demonstrou ao seu sucessor que os projetos de poder  explicitamente monárquicos e dinásticos eram violentamente repudiados pela sua classe, qual seja, a elite senatorial romana.

Após 18 anos de guerras civis ( De César contra o Partido Aristocrático, do Triunvirato contra os assassinos de César, que pertenciam à mesma facção supracitada e de Otávio contra Marco Antônio),  o fato é que Otaviano encontrava-se em uma posição de supremacia indisputada no Estado Romano, que precisava ser reconhecida oficialmente de alguma forma pelo Senado, porém sem ferir as suscetibilidades republicanas da classe senatorial, afinal, o próprio Otaviano se apresentara como o campeão da República contra o rótulo de pretenso futuro monarca oriental que a propaganda dos sus partidários colou em Antônio.

Desse modo, a Sessão do Senado Romano do dia 16 de janeiro de 16 A.C. caracterizou uma solução conciliatória bem ao gosto dos políticos. A criação de um título inédito, que reconhecia uma situação excepcional, mas que também  ao não sacramentar nenhuma forma nova permanente de governo, aplacava os pudores republicanos dos remanescentes da facção aristocrática do Senado.

Na verdade,  foi no decorrer do governo de Augusto, o qual manteve, formalmente e na aparência, todas as magistraturas republicanas, e sobretudo, na sua longa duração (ele ainda viveria e governaria mais 30 anos depois de receber o título de Princeps) que, pouco a pouco,  todos foram percebendo que a República estava morta e o Império a substituíra.

375px-Statue-Augustus

 

 

SEMPRÔNIO – O PRETORIANO FIEL

 

Em 15 de janeiro de 69 D.C, morre o centurião da Guarda Pretoriana, Semprônio Denso

Ao estudar a História do Império Romano, ficamos pasmos com a quantidade de vezes em que imperadores foram assassinados pela Guarda Pretoriana, que, afinal, era uma unidade militar de elite que, em tese, deveria existir para proteger o soberano.

Entretanto, nem todos os Pretorianos eram venais e subornáveis, como mostra o exemplo do centurião Semprônio Denso.

O imperador Galba, que em junho de 68 D.C, sucedeu Nero, após este ter se suicidado em decorrência da crise que se iniciou com a revolta das legiões da Gália, sendo já um homem de idade e sem filhos escolheu, em 10 de janeiro de 69 D.C, como sucessor, o nobre Lúcio Calpúrnio Pisão Liciniano.

A escolha desagradou outro nobre e partidário de Galba na rebelião contra Nero, Marco Sálvio Oto (ou Otão) que, julgando-se preterido, subornou integrantes da Guarda Pretoriana para assassinar o imperador e seu herdeiro escolhido.

No dia 15 de janeiro, um grupo de pretorianos a serviço de Oto interceptou o cortejo que conduzia as liteiras de Galba e de Liciniano.

Quando viram o grupo armado, parte dos pretorianos que faziam a escolta do imperador fugiu e outra parte juntou-se aos atacantes.

Somente o centurião Semprônio Denso manteve-se ao lado do imperador.

Plutarco conta que Semprônio levantou a sua vara de centurião, feita de videira e costumeiramente usada para castigar os soldados faltosos, ordenando que não tocassem o imperador. Não sendo isso suficiente para afastar os colegas renegados, o fiel centurião desembainhou a sua espada (ou, na versão de Tácito, um simples punhal) e enfrentou em combate homem-a-homem vários inimigos, até receber um golpe nas pernas, que o levou ao chão, onde foi morto.

A bravura de Semprônio permitiu que Liciniano conseguisse escapar do atentado e se refugiar no Templo de Vesta, onde contudo foi posteriormente capturado e morto a mando de Oto, em desrespeito ao santuário sagrado.

O feito de Semprônio também foi registrado pelo historiador Dio Cássio, como sendo o único ato de bravura ocorrido naqueles dias,  e, por isso,  ao terminar de narrar em sua História o caso do infeliz centurião, ele fez questão de afirmar:Centurion5

 

“É por isto que eu registrei o seu nome, pois ele é muito merecedor de ser mencionado”

HISTÓRIAS DE ROMA

Destaque

Siga as atualizações do blog no twitter @aulusmetelus

Curta nossa página no Facebook @historiasderomaoblog

Decidimos compartilhar nosso conhecimento adquirido na leitura de mais de duzentas obras sobre História Romana, além de viagens a cidades e sítios arqueológicos com vestígios da civilização romana, para proporcionar um espaço para que sejam postadas por todos notícias e ideias sobre este assunto que nos apaixona e que moldou a civilização ocidental. Por isso, criamos uma página no Facebook que já alcançou 4 mil seguidores ( a qual nós extinguimos e agora estamos recriando).

Nosso blog tem o propósito de contribuir para a informação e divulgação de assuntos relativos à Roma Antiga e para troca de ideias. Alertamos que o material aqui postado não deve ser usado para fins acadêmicos. Um blog jamais substituirá um curso superior de História.

A foto foi tirada no ano de 2003, em Pont du Gard, próximo à cidade francesa de Nîmes, no Sul da França. A Ponte-Aqueduto sobre o rio Gard é uma das obras-primas da engenharia romana. Eu fui um dos últimos a entrar neste sítio, naquele dia de final de outono. A pessoa que pode ser vista no cantinho superior da foto é minha esposa. Nós tivemos a oportunidade de andar praticamente sozinhos pelo sítio e de certa forma ter a mesma sensação de admiração e reverência que  teria um viajante medieval que percorresse aquele caminho e topasse com aquela construção magnífica, testemunho de uma  antiga e mais sofisticada civilização.